domingo, 12 de julho de 2009

Escreva-me ou decifro-te.


Quando dei por mim já havia existido...

Retornei de um inverno sem fronteiras

onde as palavras mais insistentes

eram escrita e papel.

Devolvi o cabo de aço que me prendia

e entre o abismo do precipício

e o abismo da minha mente

as asas de Ícaro abrigaram meu corpo

feito colo de mãe.

#################

Ninho aquecido, leite na alma;

cá estou em processo emergente de escritura.

A pedra de Roseta soltou os grilhões

que prendiam os escravos na caverna de Platão.

As sombras ficaram para trás.

Leio que finjo usar a caneta tinteiro

E se não houvesse tinta?

E se não houvesse caneta?

Registros mudaram o curso da humanidade
Os signos sopram o inconsciente coletivo
E eu? escrevo só ou somente?

Transpiro pó ou semente?

Significado?

???????****ssssss@@@@@@@@@@

Voei

Eram os deuses astronautas ou escribas ?

Quem determina os ícones?

Retornarei no próximo verão...

Mais uma vez sem fronteiras

E o significado pousará

sua morada

entre a areia exposta ao sol

e a areia abaixo das águas.

Sentir? Sinta quem finge que é.

A areia existe por uma razão

E até a própria Esfinge

se submete as suas dunas implacáveis.

Cada grão é uma letra jogada no deserto

O Big bang de palavras levadas pelo vento.

E as "minhas" palavras......

Continuo a persegui-las.

Será que estão aqui?

Penélope desfazia tudo que tecia

noite após noite..após noite...após noite.

Eu? desfaço o que sobra após um dia de vento.

Lê quem se submete ao curso das charadas;

aos códigos matemáticos do tempo.

Decifra-me ou devoro-te.

Descreva-me ou sufoco-te.

Inspira-me ou acordo em outra nave

Num outono sem fronteiras

e desta vez, as asas de Ícaro não poderão me resgatar.

8 comentários:

Camilíssima disse...

Lindo, lindo, lindo... Lembrei do trecho de uma música do Herbert Vianna, que resume bem a sensação que seu texto deixou em mim: "O céu de Ícaro tem mais poesia que o de Galileu." Deixemos as sombras para trás e continuemos pontuando o infinito com as palavras.

Andréa Amaral disse...

Obrigada Camila.Vamos voar bem alto, todos juntos.O céu não é o limite.

Lohan Lage Pignone disse...

Bravo, Andrea! Minha ansiedade em apreciar seu texto foi dissipada pelo brilhantismo das suas palavras. Voei em seu texto, rs. Voei mais alto que Ícaro! Você não tem fronteiras. E isso te faz infinita, tanto quanto o universo. E suas palavras são as estrelas da infinitude...
Bjs, boa sorte a todos nós!

Andréa Amaral disse...

Ai Lohan... vou ficar mal acostumada com seus elogios e te dando crédito para se tornar um galanteador digno de fazer Don Juan se revirar no túmulo.Obrigada pelas palavras carinhosas e edificantes.Meu ego inchou feito um peixe balão.Gostaria de te pedir um texto sobre uma conquista amorosa feita por um sedutor dos tempos de cavalaria, tipo assim, você mesmo.Boa noite Casanova.

Lohan Lage Pignone disse...

Seu pedido é uma ordem, Andrea! rs
Vou providenciar...
E obrigado pelo galanteador, faço o que posso, né, rsrs. Bjs!

João Luiz disse...

Muito bom mesmo!
É muito a forma como escreve,a intertextualidade que usa baseada num vasto arcabouço teórico faz com que a gente possa lembrar e "linkar" várias obras ao mesmo tempo,proporcionando um belo exercício para quem te lê,muito bom esse convite ao pensar e ao mesmo tempo um convite a estudar mais para acompanhar melhor este teu universo tão amplo e bonito.Parabéns!

João Luiz disse...

completando:muito boa a forma...

Andréa Amaral disse...

Obrigada João; nada acontece por acaso (eu acredito); e tenho certeza que podemos aprender muito uns com os outros. O universo das Letras é amplo, abastado de tesouros e seus praticantes têm que estar abertos para todos os níveis de escuta/crita; só quem aprende pode doar de si.Qdo precisar de qlquer informação ao meu alcance, estou aqui para somar.