sábado, 29 de agosto de 2009

A Falta Tua


Na silenciosa e escura noite, aqui estou
Nessa tentativa desvairada de me encontrar
E te encontrar...
Mas posso constatar que em mim, não mais estais.
Cansei-me de procurar me
Já que só encontro- me contigo.
Quem sou então?

Não sei quem sou.
Desde sua ida, minha vida foi partida,
Pois só existo com você aqui, pertinho de mim
Longe de mim então,
Encontro-me num beco sem saída,

Pois nada mais entendiante há, do que a vida,

Após tua partida, tornando minha vida vazia.
E não há mais motivos para viver aqui
Sem inebriar-me na fantasia que é você
Em minha desconsertante jornada.
Desconsertada com a falta tua,
Ponho-me a achar saídas para encontrar-te

E nesse desejo é que me encontro...

8 comentários:

Camila disse...

Que poesia linda, Karina! É muito complicado quando sentimos em nós a presença de alguém, todavia não podemos mais alcançá-lo... Somente quando passa o turbilhão, voltamos a ser nós mesmos e passamos a reconstruir-nos, a partir dos destroços do que fomos.

Eduardo Trindade disse...

Lembrando Florbela Espanca:

que seja a minha noite uma alvorada,
que me saiba perder... pra me encontrar...


Se esta busca acaba um dia eu não sei, mas acredito que pode haver, sim, muito prazer nesta busca de si e dos outros...
Abraços!

Lohan disse...

Karina, vc conseguiu uma proeza msm!rs
Ontem, já àquela hora, vc não tinha ideia do que postar, e consegue, a tempo, postar um gracioso texto. Essa é a sua cara, seu perfil. Lendo sua poesia, eu chegava a me confundir se era vc que se distanciava de vc msm, ou essa ''misteriosa pessoa'' que tanto magoa vc! Mas quem será essa pessoa tão pérfida a ponto de toda semana despedaçar seu coração??
Bjs, até a próxima!

K@rininh@ disse...

Ahhh amigos, que bom ter aqui o apoio de vocês! Obrigada, mesmo! Camila, a você eu confesso que a quase um ano tento me reencontrar mas ainda não consegui, é um processo dificil.
Eduardo, tenha certeza que na solidão da noite é que surgem as agonias e as ideias de escrever.
Lohan, que bom q vc achou q fiz uma proeza, apenas disse a verdade, o q estava em meu coração, mas a minha história é complicada, triste, mas qualquer dia eu te conto!
Bjinhos

Sidarta disse...

Minha cara Karininha,


Se você está há quase um ano tentando se encontrar, devo te dizer que me solidarizo com sua procura, porque esta foi também a minha busca nestes últimos... 9 anos de minha vida.

Essa é uma jornada difícil e dolorosa no começo, porque a gente se vê sem chão quando sente que as bases que usava para se posicionar diante do mundo ruíram.

Aí onde entra a capacidade humana (e da natureza) de se metamorfosear.

A rastejante e triste lagarta, quando entra em crise, se transforma em crisálida. Fechada em si mesma, adentrando no seu mais íntimo mundo, no mais fundo do oceano de seu ser, ela encontra-se num sonho. Nele descobre que foi feita para voar. Quando acorda, entretanto, vê uma dura casca em torno de si. Tenta quebrá-la, mas não consegue. Insiste, mas é difícil. Quase desiste, porém percebe que seu novo corpinho precisa de forças. E então entende o motivo daquela crosta, que ali não estava à toa. Agora é hora de persistir: é preciso perseguir o novo horizonte vislumbrado no sonho. Com muito esforço, aos poucos a casca vai abrindo. Passados alguns dias, a ex-lagarta consegue se libertar. Voa, borboleta, em direção ao sol que há de o teu suor secar!


Beijos,
Sidarta

K@rininh@ disse...

Aiiii meu caro Sidarta, Deus me livre de uma crise tão duradoura, acho q não resistiria, pq estou aqui por pouco!
Amei a história da lagarta, e acredito q nada em nossas vidas é o acaso mas a cada coisa devemos tirar o ensinamento, pois td na vida é pra aprendermos algo. E qdo por dentro doi demais pego e escrevo para aliviar a dor!

Bjinhos e obrigada pela solidariedade!

João Luiz disse...

Linda poesia Karina!

A felicidade está dentro de nós,é preciso que a encontremos.Eu vejo a alegria em você!

Parabéns!!!

K@rininh@ disse...

ahhh John q bom q eu consigo demonstrar q tenho algo q nem sei se tenho mesmo... Valeuuu