sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Sugestão para o fim de semana:Fahrenheit 451


Hoje venho trazer uma sugestão de um filme muito interessante que assisti e fiz um trabalho na faculdade, chama-se Fahrenheit 451 de François Truffaut, trata-se de uma adaptação da obra de Ray Bradbury que escreve sobre um país onde era proibido ler, fazendo uma crítica a televisão e ao modelo totalitário que ele via se instalar em sua sociedade. O interessante é que o filme foi lançado em 1966 e se olharmos com atenção parece que estamos falando de hoje em dia.


O filme se passa num possível futuro e conta a história do bombeiro Gui Montag, um funcionário exemplar do governo que tem como ofício ao invés de apagar incêndios, queimar livros, reprimir qualquer tipo de leitura numa sociedade que proíbe qualquer tipo de disseminação de conhecimento. Nesta sociedade imaginada,porém provável devido à direção alienada que grande parte da população vem trilhando, as pessoas vivem num mundo “ideal”, onde ,sem nenhum tipo de questionamento vivem a vida de forma totalmente alienada,como uma grande boiada sendo tocada pelo peão Estado.Em cada casa há uma enorme televisão na parede(parecem até as nossas de plasma de hoje) que dita o modelo de comportamento que as pessoas devem ter,do modo de se vestirem até ao que pensar para não terem pensamentos “proibidos” que vão se opor ao modelo totalitário imposto pelo governo.A vida das pessoas gira em torno de tal aparelho,neste mundo,as pessoas podem interagir com a TV que usa uma linguagem fácil ,dispensando o exercício do pensamento,além disso,são viciados em pílulas que se encarregam de manter a ordem e a aparente tranqüilidade.

Em um dia aparentemente normal, o bombeiro Montag se encontra no trem com uma jovem professora chamada Clarisse que o faz pensar em sua vida, em seu trabalho e no porquê de tudo aquilo, no porque de tantas proibições, após essa conversa, Montag começa a ver o mundo em que vive por outra perspectiva, passa a esconder os livros que teria de queimar e ao ler tais livros, começa a ter mais consciência do que vinha fazendo em seu trabalho e se volta contra este modelo de sociedade ao qual vem participando e acaba se excluindo da cidade, indo viver junto às pessoas que memorizam as obras para que elas nunca se percam.

O filme se destaca por mostrar a realidade da sociedade de consumo e da indústria do entretenimento, mostra a verdadeira intenção da televisão que nos traz programas vazios como o “BBB” e outros programas similares que não trazem nenhum incentivo ao pensar, ao invés disso, se observarmos bem, podemos identificar à intenção de nos tirar a possibilidade do questionamento e da liberdade de expressão.

7 comentários:

Andréa Amaral disse...

Boa lembrança, João. Este filme é um clássico, justamente por ser futurista em seu tempo, assim como Laranja Mecânica. Resenhar filmes , livros, autores e obras é uma maneira de nos deixar antenados com o que está acontecendo e ainda de quebra, dividir com os nossos leitores toda uma posição política e filosófica sobre a sociedade que nos cerca, dando espaço para que daí surjam reflexões, polêmicas e curiosidade.

K@rininh@ disse...

obrigada pela sugestão, parece mesmo uma ótmia opção! bjinhos

Lohan disse...

Show de bola João, vou procurar nesse fds mesmo este filme que parece, de fato, ser um clássico. Sempre ouvi falar sobre, mas nunca ia imaginar que se tratava de um tema futurista e tão vívido em nosso dia-a-dia. Lembro até das histórias de George Owell, que se fundamentam em temáticas similares.
Qnto ao seu poder de resenha, tenho que dizer, vc foi brilhante. Relatou os aspectos contextuais do filme com clareza e objetividade. Tirou dez no trabalho! rsrs
Abraços, Joao!

Camila disse...

Que ótima resenha, João! esse filme é mesmo nota 10! Muito legal essa dica, pois embora haja uma lista de filmes aqui no blog, fica bem mais interessante quando temos acesso a sinopse. Adorei este estilo de texto, lhe cai como uma luva!

João Luiz disse...

Muito Grato pelos comentários amigos!!!

Estou buscando inovar,escrever coisas novas para movimentar melhor meus dias de postagem,estou aprendendo com vocês a importância da versatilidade.

Felicidades!!!

Sidarta disse...

Caro João,


Tentei baixar esse filme pela internet, para comentar aqui, mas não consegui ainda.

Concordo com a turma, você faz muito bem esse trabalho de resenha.

Agora eu gostaria de te perguntar duas coisas:

Qual o curso que você fez ou faz na faculdade?

Pode nos falar mais sobre o seu trabalho sobre o filme e as discussões que foram feitas?

Gostei do que você falou no último parágrafo, podemos aproveitar para ampliarmos o debate.

No post da Andrea, "A volta", me inspirou a fazer uma reflexão sobre a influência da tecnologia x a conexão com a natureza.

Gostaria de saber mais o que você pensa.


Abraço!

João Luiz disse...

Oi Sidarta!

Desculpe amigo,só hoje que vi o seu comentário.Vamos lá estou terminando o curso de Letras,sou da turma que se forma agora em dezembro,tive a alegria de fazer algumas disciplinas com a Camila e com a Andrea.Quanto ao filme,com certeza quando vc conseguir ver,vai gostar muito.Na faculdade assistimos este filme na sala de aula,comendo pipocas e bebendo Coca-Cola(símbolo do capitalismo)rsrsrsrs.Mas foi muito bom,fizemos as resenhas e tivemos um bom bate papo em sala,algo muito enriquecedor,é um daqueles filmes que marcam e que rendem horas de conversa.