sábado, 12 de setembro de 2009

A Busca


Questionamentos intermináveis,
Sonhos utópicos, longínquos.
Desvairadamente vai a vida...
Quem sou então?
Sou aquela em que no peito arde
O louvor a vida.


As emoções explodem a cada esquina escura,
Que me constituem.
Pretensões, utopias, anseios,
Fazem parte de mim.
Pranto, amor e ódio
Também podes encontrar aqui.
Fico então a duvidar,
Se sou tudo o que de fato sou.
A solidão pensada, o amor perdido,
A vida fugindo de mim,
Enfim, o que faço eu aqui?
Louca, desvairada,
Amante e sonhadora.
Nesse desejo volátil
Vou tentando me encontrar...
Tentando me expressar,
Nessa vida que hoje completa
Três meses, autoressa.

4 comentários:

Lohan disse...

Parabéns, Karina!
Fazendo companhia ao Sidarta, rs, tentando se encontrar rsrs
Pois todos somos assim, na verdade.
Adorei a inclusão da homenagem ao blog. É gente, tres meses hj!
Parabéns Autores S/A! Deixa eu ver quantos acessos........
5,713 acessos em tres meses!!!
Imaginem em um ano... Estaremos batendo recordes, galera. Seria uma utopia?? rs Não, tenho certeza que não!
Abraços a todos!

Andréa Amaral disse...

Karina, você está numa fase da vida em que estas angústias são naturais. O início da vida adulta não é nada fácil e esta busca pode perdurar para sempre ou não. O que importa é saber utilizar aquilo que você tem de bom e que já descobriu dentro de si. A escrita é uma delas...esvaziar o peito em linhas de papel ou virtuais já é uma maneira de auto-análise que nos conduz à viagens profundas dentro de nós mesmos. Continue praticando. Não vê o Sidarta? Já está encontrado.(Só ele que não percebeu, eu acho). Parabéns.

Sidarta disse...

Karina, nem preciso dizer que me identifico com suas palavras.

Na primeira vez que li seu poema, percebi, tal como Andréa, uma jovem se questionando adulta, uma menina se descobrindo mulher, um ser humano tentando ir além, buscando quebrar barreiras, tocar horizontes.

Depois, como entendeu Lohan, vi não só a homenagem ao blog, mas uma transposição de papéis. Agora também um lugar, uma casa de escritores (ou seria uma cabana? rsrs), numa mistura de sabores (não resito a uma rima), fazendo-se o mesmo questionamento, cada um(a) tentando achar o seu espaço, ao seu estilo, englobando todas as dimensões que esta palavra "estilo" possa alcançar.

Todo aniversário é uma renovação, uma metamorfose.

Sinta-se como a Autoressa (um nome delicadamente feminino para o Autores/SA), que diariamente se renova, dando a cada dia uma cor diferente (ou um raio novo), se conhecendo melhor, mas que nunca deixa de procurar.

Porque é "nesse desejo volátil" e nessa ação de "tentando me encontrar", é nesta livre expressão da alma que o outro nos encontra (não é, Andréa?), que o mundo nos encontra, muitas vezes antes mesmo de nós nos darmos por achados. E daqui a pouco a gente se reconhece...

Só é questão de persistência e tempo, persistência e tempo.

Beijos!

K@rininh@ disse...

Amigos queridos!Obrigada pelas palavras de carinho...
Andrea e Sidarta,com certeza, essa fase adulta têm sido pra mim muito dura, apesar de ter amadurado mto precocemente, mas vários acontecimentos em série fizeram com que eu me desestruturasse, e graças a luz divina, achei na caneta e no papel grandes aliados a me reencontrarem...