sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Sugestão de Leitura: O Aleph


Para os amigos que gostam de se aventurar em novas possibilidades...


Um pouco de Realismo Mágico

O Realismo mágico se desenvolveu nas décadas de 60 e 70 e a partir das visões da cultura e da tecnologia que conviviam na América Latina,também apareceu como uma forma de reação as ditaduras locais.O Realismo mágico mostra o irreal ou o estranho como algo cotidiano e comum e isso torna este tipo de leitura fascinante.



Hoje,venho sugerir a leitura do conto o Aleph, do Grande escritor argentino Jorge Luis Borges.

Fazendo a leitura do conto “O Aleph” de Borges, podemos perceber que o autor nos apresenta novas possibilidades de leituras do mundo, em um universo aberto a pluralidade de significados, a simultaneidade de possibilidades, tudo isso em uma narrativa aparentemente tradicional que nos leva a experimentar uma nova realidade.

Borges usando de uma estética simples coloca o surreal, o improvável de uma forma natural, partindo de um cotidiano, esse sobrenatural se apresenta causando um estranhamento no leitor, que logo depois de um primeiro impacto é envolvido pela história tão bem contada e começa a se dar a oportunidade de experimentar uma temporalidade paralela, começa a acreditar que aquilo que se está lendo é a realidade, aconteceu ou está acontecendo naquele determinado momento, para o autor a temporalidade se dá de forma cíclica e não linear fazendo com que o passado se confunda com o presente passando a idéia de atualidade, essa impressão faz com o leitor mergulhe na leitura e se desprenda de preconceitos e se deixe levar pelo novo, pelo maravilhoso,pelo fantástico.


Boa Leitura!



3 comentários:

camilissima.furtado disse...

João, com certeza lerei, pois sou fã da literatura de Jorge Luis Borges; realmente é bem interessante. E realismo fantástico é sempre surpreendente. Mas queria saber um pouco mais sobre esse conto... Uma breve sinopse da história me deixaria mais instigada, eu acho... Vou ler primeiro o conto pra depois voltar e comentar com mais propriedade, ok?! Bjs e obrigada pela dica.

Andréa Amaral disse...

Muito bom compartilhar cultura. Sou hiper fã do Realismo fantástico, começando por Gabriel Garcia Marquez, mas não conheço muitas coisas. Concordo com Camila, sobre a falta de uma sinopse do conto. Se sua intenção foi nos deixar com água na boca, conseguiu. E o título é bastante significativo. Aleph no alfabeto hebraico, representa a primeira letra, e sua representação alegórica na Cabala, significa unidade e princípio que aliados a atividade humana, representam o poder coletivo que advém da força e do poder da estabilidade conjunta. Será que o conto tem algo a ver com isso? Adorei a dica. Obrigada.

João Luiz disse...

é meninas,confesso que podia escrever mais,porém não quis contar a história para não perder a graça,da outra vez que falei de uma obra aqui (filme) ,acabei contando a história toda...

Agora Andrea,com certeza tem tudo a ver,não foi a tôa que Borges escolheu este nome.

Abraços e prometo melhora na sexta que vem...