quinta-feira, 29 de abril de 2010

Française musique: la hommage (1)

A partir de hoje, em todas as quintas-feiras, farei uma homenagem à música francesa aqui no Autores S/A. Canções tão belas, que, preconceituosamente, são elevadas a um patamar quase inatingível pelas línguas cruas. Digo neste sentido pois, há, geralmente, um pré-conceito de que música francesa é coisa de elite, é coisa de rico, é cult, é nerd, é gay, entre outras adjetivações sórdidas de quem não sabe o que diz simplesmente por não ter assunto digno para dizer. Dizem por não conhecerem, por nem sequer buscarem este conhecimento; são ignorantes, i.e, aqueles que ignoram e, acomodados em suas cadeiras de tribunais, julgam a torto e a direito, e a esquerdo, o que não está a vosso alcance.

O francês pode ser pop, e ser pop não é ser esdrúxulo. Se for para banalizar, que banalizem algo de qualidade, ao menos. A reprodutibilidade é fato, porém, um fato que merece atenção especial. Muitos produtos que ouvimos, ou assistimos, se tornam “bons” de tanto que insistem em se entranhar douloureux em nossas mentes, na luta constante pela calcificação dos miolos em prol da massificação. De massa, já basta a macarronada de domingo. Os “gordinhos” que o digam.

Ultimamente tenho voltado alguma atenção à música da França, e, inevitavelmente (falo por mim), tornei-me apreciador. É salutar ainda lembrar que, não me atenho somente às canções interpretadas por cantores de origem francesa, mas, principalmente, a intérpretes que deram à canção deste país europeu uma nova “roupagem”, ou seja, uma versão às vezes até mais bela do que a original. Chega de “enrolé”. A primeira canção escolhida por mim é a clássica “Non, je ne regrette rien”, composta por Charles Dumont, que, após a morte de Édith Piaf em 1963, passa a compor para o intérprete Jacques Brel; e por Michel Vaucaire. Escrita em 1956, canção ficou marcada na voz esmeraldina de Édith Piaf, um dos principais expoentes musicais da França, e por que não do mundo?

Apesar de tal êxito, hoje ficarei devendo Piaf para os meus nobres leitores e ouvintes. A versão que escolhi é a de Cássia Eller. Ela imprime uma “levada” doce, e a cada nota, a cada palavra cantada, eu sinto como se a voz forte da rockeira mais sensível que o Brasil já teve flua como ondulações oceânicas, como uma canção de ninar numa noite primaveril. Como já foi supracitada, a homenagem é à canção francesa, e não especificamente ao intérprete. A versão que será apresentada foi abertura do acústico MTV realizado em março de 2001, nove meses antes do falecimento da cantora. Observação: a cada postagem de homenagem, publicarei também uma pintura de origem francesa; uma bela imagem para acompanhar la belle musique.

Bonne musique!


(Gustave Claude Etienne Courtois, Pusey, Francia, 1853-1923)


video

Non... rien de rien...
Non... je ne regrette rien
Ni le bien qu'on ma fait,
Ni le mal - tout ça m'est bien égal!

Non... rien de rien...
Non... je ne regrette rien
C'est payé, balayé, oublié,
Je me fous du passé!

Avec mes souvenirs
J'ai allumé le feu,
Mes chagrins, mes plaisirs,
Je n'ai plus besoin d'eux!

Balayé les amours
Avec leurs trémolos
Balayés pour toujours
Je repars à zéro...

Non... rien de rien...
Non... je ne regrette rien
Ni le bien qu'on ma fait,
Ni le mal - tout ça m'est bien égal!

Non... rien de rien...
Non... je ne regrette rien
Car ma vie, car mes joies,
Aujourd'hui, ça commence avec toi!

5 comentários:

Tania Forti disse...

Olá, Lohan, adorei sua iniciativa. Porém fiquei um pouco triste porque não consegui ouvir direito. Na maior parte da música, o arranjo está mais alto, encobrindo a voz da cantora.
Mas voltarei, com certeza, toda semana!
bjo

Tania Forti disse...

Oi de novo. Não tem nada errado com seu vídeo, não, Lohan. Acho que foi algum probleminha aqui. Insisti em ouvir novamente e pude apreciar a música toda.
Amo a sonoridade da língua francesa, obrigada por nos proporcionar esse momento!
beijo

João Luiz disse...

Lohan,meu amigo!

cada vez mais culto!

Você é grande Lohan!Sua inteligência e genialidade me impressionam e me motivam.

Feliz de seus alunos,espero que saibam aproveitar o brilhante professor que terão.

Abraço fraterno!!!

Lohan Lage Pignone disse...

Merci beaucoup!

Tania, seja bem vinda ao nosso blog, sinta-se a vontade sempre para opinar através dos comentários. Fico muito grato pelo elogio. Com certeza vou proporcionar outros momentos como este.
A sonoridade da música francesa é singular, é de fato, belíssima.
Quanto ao vídeo, a princípio, tive dificuldade para assistí-lo também, porém, logo em seguida, consegui.
João, obrigado, amigo! Cada vez mais culto nada, rs, estou tentando trazer o que se diz ''culto'' para o nosso popular. É de qualidade que precisamos, e a música francesa, assim como o sol, deve ser para todos! (rs).
Obrigado, mais uma vez,
Au revoir! Até quinta-feira!

Vera disse...

Bonjour!

J'aime beaucoup la langue française. muito boa iniciativa, voltarei para ouvir outras músicas.

Au revoir!