domingo, 20 de junho de 2010

Primeiro Sinal

Não é você.
Não é jeito como me olha,
nem como me beija ou abraça.
Seria assim de qualquer jeito.

Não é você,
não é a maneira como aconteceu,
é necessidade poética.

Não é você,
não é essa pseudo-historinha de nós dois
mediocremente construída,
é que eu gosto de me enganar.

Não é você,
não é a decepção tão óbvia
ou essas lagriminhas,
é que a melancolia me cai bem.

Não é sua capacidade de me machucar
e subestimar minhas expectativas,
é assim sempre.

Não é você,
não são as palavras repetidas,
é que eu já me cansei
desse way of life.

Não é você,
sou eu.

Sou eu que não canso de buscar razões para escrever.








Negação é o primeiro sinal.

3 comentários:

Victóriaf disse...

o eu poético vai se construindo a partir das negações de uma suposta relação amorosa com um interlocutor que é chamado ao poema.
Esfola esse interlocutor e mostra pra ele a que você veio.Depois sai sem deixar bilhete de despedida.

Camila Furtado disse...

Como esse poema dialogou comigo... Me lembrou uma música do maravilhoso Renato Russo, num trecho que diz assim:
"Até pensei que era mais por não saber que ainda sou capaz de acreditar. Me sinto tão só e dizem que a solidão até que me cai bem."
Nossa, Ray, pra variar: Adorei!!!

Lohan Lage Pignone disse...

Não é você, sou eu!
Lembra que esse foi um dos nossos primeiros assuntos?

Como eu já ouvi isso na minha vida... Primeiro sinal da negação. Não é não. Mas eu sempre luto pelo sim, que é sim.

Beijos, Rayanna!