quinta-feira, 2 de junho de 2011

Música & Literatura

                           - Uma das metades do post N° 37 -



Tenho o prazer de apresentar nesta coluna ‘musical’
 o encontro entre duas artes: 


a Música e a Literatura.



Não é dado recente que muitos músicos têm ou tiveram como uma de suas maiores fontes de inspiração lírica o universo das narrativas. Em alguns casos, a influência, seja pela conveniência do tema, seja pela admiração do compositor no conto X, no romance Y ou na poesia Z ultrapassa a simples feitura da lírica para direcionar a própria música, determinando a sonoridade, os timbres e tipos de instrumento a serem usados na gravação, a qualidade dos vocais, dos arranjos, etc. Essa harmonia plena - e não apenas referências - entre o clima de uma narrativa e uma determinada obra musical (letra e música) é mais comum nas chamadas obras conceituais, ou seja, álbuns cujas canções tratam do mesmo tema, ou até mesmo narram uma história.

Amantes de música e de literatura, descubram na letra de uma música seu livro preferido, e as mais diversas referências literárias na obra de sua banda favorita. Tenha agora a oportunidade de conhecer novas bandas e saber sobre aquelas que você já ouviu falar, mas que não fazia ideia do quanto a literatura serviu de fonte para suas composições.


***************
Iced Earth / 
Frankenstein, ou o Moderno Prometeu

"He wants to know what it's like to be God
Creating life with his own hands
To reanimate lifeless tissues
The Devil's work, the doctors plan
A man of wealth and a genius mind
A slave to passion and his morbid side
Robbing graves of the nearly dead
Erratic tendencies, a troubled mind"





"Maldito o dia em que recebi a vida! - exclamei. - Maldito criador! (...) O próprio Satã tinha seus companheiros, demônios como ele, (...) mas eu sou absolutamente solitário."

The Police / Lolita
"Loose talk in the classroom
To hurt they try and try
Strong words in the staff room
The accusations fly
It's no use, he sees her
He starts to shake and cough
Just like the old man in
That book by Nabokov"




"Apalpei meu bolso em busca do horário do trem, e o puxei furtivamente para fora, decidido a consultá-lo tão logo fosse possível. Estava ainda seguindo os passos da sra. Haze, através da sala de visitas, quando, de repente, diante de nós se abriu um clarão verdejante - "a piazza", cantarolou minha guia, e então, sem qualquer aviso prévio uma onda azul ergueu bem alto meu coração: ajoelhada sobre uma esteira, seminua em meio a uma poça de sol, virando-se para me olhar por cima de seus óculos escuros, lá estava o meu amor da Riviera. ("Annabel") Era a mesma criança..." 


Mägo de Oz / 
Dom Quixote de La Mancha



"Amigo sancho, escúchame
No todo tiene aquí un porqué
Un camino lo hacen los pies"
(...)


"A veces siento al despertar
Que el sueño es la realidad
bebe, danza, sueña


Siente que el viento
Ha sido hecho para ti
Vive, escucha y habla
Usando para ello el corazón


Siente que la lluvia
Besa tu cara
Cuando haces el amor
Grita con el alma
Grita tan alto
Que de tu vida, tú seas.
Amigo, el único autor."

  

Ilustração de Fabrício Moraes


"E dizendo isto, encomendando-se de todo o coração à sua senhora Dulcinéia, pedindo-lhe que, em tamanho transe o socorresse, bem coberto da sua rodela, com a lança em riste, arremeteu a todo o galope do Rocinante, e se aviou contra o primeiro moinho que estava diante, e dando-lhe uma lançada na vela, o vento a volveu com tanta fúria, que fez a lança em pedaços, levando desastradamente cavalo e cavaleiro, que foi rodando miseravelmente pelo campo fora."

David Bowie / 1984






"Estamos reduzindo a língua à expressão mais simples. A Décima Primeira Edição não conterá uma única palavra que possa se tornar obsoleta antes de 2050. Mordeu famintamente o pão e engoliu dois bocados. Depois continuou a falar, com uma espécie de paixão pedante. O rosto magro e moreno animara-se, os olhos haviam perdido a expressão de chacota e tinham-se tornado quase sonhadores. - É lindo destruir palavras."

Disney / 
A História de Aladim, ou a Lâmpada Maravilhosa 

Ilustração de Albert Robida


"As ruas pelas quais (Aladim) passou encheram-se de uma multidão de gente, que fazia ecoar pelos ares exclamações e gritos de admiração cada vez que os seis escravos que levavam as bolsas deixavam cair punhados de moedas de ouro à direita e à esquerda. Aquelas aclamações, porém, não vinham da parte dos que se empurravam e abaixavam para pegar as moedas, mas dos da classe superior do povo, que não podiam deixar de elogiar publicamente a generosidade de Aladim." 




Volume de As Mil e Uma Noites (The Arabian Nights)


****


Né Ozetti / Dom Casmurro






"Fui devagar, mas ou o pé ou o espelho traiu-me. Este pode ser que não fosse; era um espelhinho de pataca (perdoai a barateza), (...) Se não foi ele, foi o pé. Um ou outro, a verdade é que apenas entrei na sala, pente, cabelo, toda ela voou pelos ares, e só lhe ouvi esta pergunta: - Há alguma coisa?"

Rush / Tom Sawyer

"What you say about his company
Is what you say about society"




"Tom soltou um enorme suspiro ao vê-la botar o pé na soleira da porta, mas logo o seu rosto se iluminou, pois a garota, antes de desaparecer, jogou uma flor por cima da cerca."

  
Loreenna Mckennitt / 
The Highwayman, poema narrativo de Alfred Noyes






"The wind was a torrent of darkness among the gusty trees,
The moon was a ghostly galleon tossed upon cloudy seas,
The road was a ribbon of moonlight over the purple moor,
And the highwayman came riding—
Riding—riding—
The highwayman came riding, up to the old inn-door."

Iron Maiden / 
A Balada do Velho Marinheiro 



"The albatross begins with its vengeance
A terrible curse, a thirst has begun
His shipmates blame bad luck on the Mariner
About his neck, the dead bird is hung"

The Rime of the Ancient Mariner; música perfeita, 
e essa performance ao vivo da turnê de '85 é irrepreensível.  

Ilustração de Gustave Doré


"Eu matei o albatroz (...)
E para toda a nave, eu fora a morte da ave (...)
Ai de mim!
(...)
Seria essa mulher sua tripulação?
Ela seria morte? Ou ambas que lá estão?"


Poema narrativo de
Samuel Taylor Coleridge




****


Viremos a página e vamos à outra metade 
da minha homenagem; vamos ao Letrados!



...é     só     clicar!



3 comentários:

Lohan Lage Pignone disse...

Mais um belo post, unindo música à literatura... Sem mais comentários...

Muito bom!

Abraços ;)

Thaty Louise disse...

Como vc não pensou nesse post antes???

Música e literatura, nooooooooossa, quantas surpresas!!!
Loreenna Mckennitt,
The Highwayman... Nossa, covardia, muita!!!!
PQP, ameyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyyy
Literatura e música, duas das melhores coisas da vida E V E R!!!

Kisses & hugs,my friend!

Landoni Cartoon disse...

Eu já havia pensado, mas gostei tanto da ideia que preferi não postar logo, fui curtindo, reunindo tudo que eu já conhecia, pesquisando pra saber mais.

É, e eu adoro Loreenna McKennitt!

Grzie por mais uma visita, sempre muito especial. E pelos comentários tbm! E aguarde, depois do concurso tem mais.

bjo!
Camillo Landoni

************

Valeu, Lohan!

Da ideia desse post já tive outras que pretendo realizar após o concurso. Grande abraço!