domingo, 1 de abril de 2012

Thiago Luz (Jean Jacques)

Thiago Luz (Jean Jacques) nasceu no Rio de Janeiro, em 1982. Sua paixão pela arte vem desde os 6 anos de idade, quando seu pai o apresentou aos Beatles. Um pouco depois, teve os primeiros contatos com a literatura, através dos livros do Pedro Bandeira. A poesia surgiu de maneira pouco comum: começou a escrever para fazer letras iguais às do Renato Russo. Enfim, não se tornou um astro de rock, mas continuou escrevendo. Possui 2° grau técnico em Mecânica pelo CEFET/RJ e cursou Engenharia Mecânica até o 3° ano na UERJ, largando o curso para se dedicar à literatura. Atualmente, trabalha no setor petrolífero e é estudante de Letras da UFF/CEDERJ. Não vai dizer que merece ser o vencedor do II Concurso de Poesia Autores S/A, mas mergulhará de cabeça em cada verso, como se fosse o último verso da sua vida, o verso derradeiro, e que, no fim do concurso, ao sair da água, encontre uma praia paradisíaca e possa sorrir ao ver seu nome escrito na areia, ao lado da palavra VENCEDOR”.




Pseudônimo: Jean Jacques

Título: O Tempo... E Agora?

O tempo,
Este demônio arredio sem fim,
Beija meu rosto no escuro do futuro
E me persegue fugindo de mim.

O tempo,
Este louco poeta em camisa de força,
Declama ao mundo os seus insones segundos
Como conta-gotas da eternidade...
E no fim das contas, fim dos dias,
Cada hora é a ironia das divindades.

O tempo,
Este transeunte das lâminas afiadas,
Acaricia minha pele como um coveiro,
Transformando em negros cemitérios
Cada luz poética de um conto de fadas.






Título: Vinte do doze


Tique-taque! Tique-taque!

Vinte e doze...

E os segundos que se vão

Vêm a mim em overdose,

Pico lancinante no espírito,

Como um beijo rascante

Da imperatriz das meretrizes,

A morte.



Tique-taque! Tique-taque!

Vinte do doze...

E o futuro, teatro dos vencidos,

Faz de hoje o último ato,

Enquanto as cortinas d’alma

Fecham-se lentamente

Como vítimas infantes,

Olhares perdidos, abatidos.

Um comentário:

Daiana Zarur disse...

Bravo!!!
Deixo aqui minha admiração por esse poeta que escreve com o coração.
Meu voto é pra você, Thiago Luz!!!

Beijos,
Daiana Zarur