sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Poemas da Grande Final


CHEGOU A HORA…

A GRANDE FINAL DO III CONCURSO DE POESIA
AUTORES S/A!

ERAM 562...
72…
32…
16…
08…
04…

RESTAM 02.
QUEM SE CONSAGRARÁ O CAMPEÃO
DA TERCEIRA EDIÇÃO?

HERTON GUSTAVO GOMES X RICARDO THADEU

“A terceira edição do concurso de poesia Autores S/A começou em agosto, com o período de inscrições, e somente agora, no dia 4 de dezembro, descobriremos, enfim, o nome do grande vitorioso. No entanto, sabemos que todos os participantes saíram vitoriosos desta labuta poética. Foi uma confraternização belíssima, que proporcionou diversos vínculos intelectuais e de amizade, sobretudo através do grupo do Facebook, denominado “III Concurso de Poesia Autores S/A”. E esta foi a vitória do concurso.
         A final é estrelada por um poeta do Rio de Janeiro, impetuoso e intenso; e um baiano, de Riachão do Jacuípe, comedido e certeiro. Herton Gustavo Gomes versus Ricardo Thadeu: ambos realizaram trajetórias consistentes neste certame. O campeão terá um livro de poemas publicado pela Editora Patuá, fora outras premiações. Ricardo Thadeu tem uma história curiosa nesta edição: foi reclassificado após a desistência de 04 participantes, na segunda fase do concurso. Desde então, não deixou mais a peteca cair. Já Herton se manteve regular durante todo o certame, surpreendendo pela coragem em se expressar tão genuinamente em seus trabalhos, deixando prevalecer o sentimento sobre a técnica. Ricardo, o oposto de seu adversário, conquistara a sexta colocação na primeira edição deste concurso, e, à época, foi considerado um dos grandes destaques. Herton é estreante no certame, e sua conduta poética tem provado, etapa após etapa, que ainda o coração pode gritar mais alto que a razão.
         Muito curiosa a configuração dessa final. O poeta mais autêntico contra o poeta mais metódico do concurso. Suas trajetórias ilustram isso, emblematicamente”.

Opostos que buscam um objetivo em comum: a vitória.
Quem vencerá este derradeiro embate?
O coração ou a cabeça?

                           
TRAJETÓRIA DOS FINALISTAS

         Vamos relembrar a trajetória desses dois talentosos poetas finalistas ao longo do concurso? Desde quando tudo começou… Vale a pena LER de novo!

DE RIACHÃO DO JACUÍPE, BAHIA:

RICARDO THADEU

“CHAMADO”

Em Tóquio, um homem escreve um poema:

Fantasmas transitam na calçada da fama.
Todas as luzes se acendem em Paris.
O universo conspira contra os Vikings.
A mulher tem orgasmos múltiplos.
O disco voador pousa em Londres.
Três mariachis cantam em Florianópolis.
Crianças morrem no oriente médio.
O robô japonês salva a humanidade.
O presidente do Chile envia um SMS.
Duas mulheres se beijam em Chernobyl.
O vampiro ataca a mocinha indefesa.
Moisés divide o mar vermelho em dois.
Elvis canta Love me Tender na rádio AM.
O cowboy mata mil e oitocentos índios.
Romeiros escalam milhares de degraus.

Em Tóquio, o poeta para de escrever:

O mundo inteiro para junto.


“CONFISSÃO”

Em mim, reside Outro que é abismo:
Ser faminto de eras abissais.

Inquilino inadimplente de mim mesmo,
Abasteço-me de mitos ancestrais.

E despedaço-me em mil absurdos:
Alimento de segredos marginais.


“EPISÓDIO”

Com calma, componho um abismo:
dilema criado em mim pelo tempo.

Os atalhos das horas são o lamento:
imenso vazio de momentos passados.

Regulo os passos, conto os minutos:
inútil tarefa dos relógios de corda.

E contento-me com o eterno retorno
atento ao despertar das janelas.

HAIKAI: “INVERNANDO”

o homem sertanejo
vê no escuro céu da roça
chegar a esperança


“OUTRA FACE”

Estou cansado deste ser curtido,
nascido do outro lado da tela.

Compartilho o luar da estrada
na caravela de antigas feridas.

Adormeço nas remotas páginas
que cutucam outras falsas vidas.

Assoberbado e sem tino, espero:
o destino é uma face indomada.


“ENREDO”

O homem é um só e se divide
em mil balões atados por um nó;

é um elo que, na rua, se bifurca:
nada busca, além de dissolver-se.

As portas expõem o ego partido,
inflado com ar que o outro respira.

Em mil bexigas de mil mentiras,
o ser, na avenida, se decompõe.


“DE CAROL PARA CHICO”

Meus olhos fundos, tu dizes,
são tristes, com teus versos em riste
apontados para a partida.

As comedidas lágrimas, tu sabes,
nublam-me as coisas lá de fora:
a flor que nasce, a estrela que cai.

Se cheia de amor me deixaste
reside ele ainda em minhas retinas
mesmo sem existir de fato.

Não importa a festa e os versos
que cantaste. Nada vale o que não vi.
Eu parti no mesmo barco que partiste.

“FOCO”

Não há enigma nas engrenagens
que, corroídas pela ferrugem,
movem a cena:

o insone movimento dos quadros
evidencia, no oculto quarto,
as máscaras e as feridas;

a sujeira secular que forra paredes
é escondida sob a projeção
de trôpegos movimentos;

atropeladas hordas de sentimentos,
atados ao lobo fingido,
forjam lágrimas no escuro.

Alheios a tudo, na última fila,
um casal partilha outros sentidos.


Trova de Ricardo Thadeu

Adornaste teu olhar
com a pura maresia;
eu, bebendo deste mar,
afoguei-me em agonia.

“COISA DE GENTE GRANDE”

Gente grande nunca diz
O que a gente quer saber
Existe tanta pergunta
E ninguém pra responder.

Se o casco da tartaruga
é também a casa dela,
onde fica, então, a janela?

Por que tem dente de leite
e não tem dente de café?
Caranguejo só anda de ré?

Por que a onda vai e volta?
Porque o mar é salgado?
Só tem água do outro lado?

Por que a lua fica magra?
A sombra segue a gente?
A hiena está sempre contente?

Por que a cadeira tem perna
e não usa meia e sapato?
Quem faz os bigodes do gato?

Gente grande nunca diz
O que a gente quer saber.
E se for pra não saber nada
Eu prefiro nem crescer.



LIMERIQUE:

O vento beijou teu cabelo
arranjando um belo novelo
de cordas douradas,
todas afinadas,
que dedilhei com muito zelo.

“DISSIMULAÇÃO”

As luzes queimam, no escuro céu:
cinzas de um ano que se desfaz.

Esperanças transgridem o tempo
estourado na contagem regressiva.

Passantes, embriagados do porvir,
cumprem o ritual de suas biografias:

usam, como disfarce, brancos trajes
e fingem a felicidade da mesa farta;

pulam três ondas, afagam amigos,
atiram ao mar pedidos e promessas.

Várias explosões enfeitam a virada
de pólvora e bolhas de champanhe.

Não são os relógios que celebram.
É o acaso que anuncia a chegada.



DO RIO DE JANEIRO, RJ:

HERTON GUSTAVO GOMES


“ROTINA”

um gordo mastiga de boca aberta um pacote de batata Ruffles
um americano
pergunta pra um brasileiro
que não entende inglês
se falta muito pra chegar
na Siqueira Campos
uma adolescente
ouve um rock meloso
com headphone
no último volume aos prantos
um velho tosse e engole o catarro
enquanto lê os classificados
da semana passada
venda e compra de carros
uma criança chata
faz pirraça por um motivo qualquer
uma moça ridícula
fala mal do marido da irmã em voz alta
e repete o tempo todo que em briga de casal não se mete a colher
dois caras falam sobre futebol
um rapaz do interior
que nunca tinha andado de metrô
sonha com um lugar ao sol
um bebê tão lindo
dorme no colo da avó
uma voz pede desculpas
pelas freadas bruscas
e eu fico com dó
dessa vez que antes
de ser desculpada
é mal paga pra pedir desculpas por mais uma freada
uma dona de casa
pensa no preço da carne
uma atriz conhecida
causa espanto por usar um transporte tão popular
o resto do vagão
segue vidrado nos seus smartphones
e a rotina se encarrega de continuar
sozinha
sigo meu rumo
com inveja de todos os passageiros
amanhã Alonso
faz aniversário
e não sou eu quem vai levá-lo
pra jantar
amanhã a vida será igual a hoje
sem graça
sem cor
onde minha tristeza
causaria piedade
até na pessoa mais fria desse metrô.
...
Em que estação vou permitir que minha vida
perca o metrô?

“FÊMEA”

a mulher que habita em mim
é perigosa
feito uma aranha
quando se trata de amor
ela morde
pica
arranha
e não manda recado

a mulher que habita em mim
tem fogo nas entranhas
e se entrega
e se esfrega
com uma coragem tamanha
que não se encontra
nas prateleiras de nenhum supermercado

a mulher que habita em mim
é puta
é gruta
prestes a desabar
é fruta
que não é qualquer um
que pode chupar

a mulher que habita em mim
é leviana
mente com sinceridade
na rua
no palco
na cama
por orgulho
interesse
ou piedade

a mulher que habita em mim
é refém de todas suas vontades
ela não tem idade
não tem pudor
não tem sexo
não tem rosto
é uma baleia
é uma sereia
é lua cheia
no mês de agosto.


“WESTERN PARTICULAR”

“ainda te espero”
reclama o bolero
nesse vinil de oitenta e quatro
vazio
cinéreo
travo um duelo
entre o Rivotril
e a falta do teu abraço

“ainda te quero”
confessa  aos berros
esse fado português
sozinho
me descabelo
e travo um duelo
entre o vinho
e a sede de ti, outra vez

“ainda me desespero”
repete sincero
esse tango
argentino
sofrido
funéreo
travo um duelo
com meu próprio destino

e enfrento tua ausência
dançando na corda bamba
sem perder a cadência
encho a cara nessa roda de samba
não me dou por vencido
te perder foi doído
mas sofrer, meu querido,
anda fora de moda.


HAIKAI: “ESTÉRIL”

manchete do dia:
primavera no sertão
não brota poesia

“UM ESTRANHO NO ESPELHO”

Quem é esse trapo?
com quem me deparo em frente ao espelho
olhar cabisbaixo
semblante cansado
estrangeiro de mim
tão apodrecido
antes da primavera
com cara de fera
com fome
Quem é esse homem?
Com dores na alma
e no rim
Quem é esse cão acuado?
Com o coração enferrujado
boca com gosto de cárie
quem é essa barbárie?
Pele amarrotada
alma enrugada
de véspera
tão antes do tempo previsto
quem é esse bicho?
Quem é esse rato?
Que hoje chafurda no lixo
que um dia já foi quase um gato
de pelúcia
de madame
tão bem cuidado
e cheio de astúcia
e hoje é esse bagaço
esse vexame
quem é esse trapo?
Esse saco de estopa
esse pano de chão
encardido
fadigado
corroído
pela falta de paixão
constrangido
derrotado
abatido
de tanta desilusão
quem é esse verme?
Que não ousa me encarar no espelho
esse porco
que me olha torto
enviesado
olhos vermelhos
inchados
de tanto chorar
de tanto esperar
de tanto dar murro em ponta de faca
Quem é essa
carcaça?
essa coisa medonha
que me olha com vergonha e piedade
me assusta
me aflige
me apavora
quem ele é?
Um anjo ao avesso
uma puta
ou um rascunho de mulher?
Esse cadáver
esse covarde
quando foi que ele morreu?
Quem é esse trapo?
Esse velho fedorento
nesse esboço
nesse corpo
nesse rosto de lamento
que um dia já foi meu?


“À QUEIMA ROUPA”

a folha tesa
de rancor e mágoa
mutila o verso
fulminante:
o fel
amargo da palavra
embrulhada pra viagem
do amante

que não comprou
passagem de volta
revolta
é agora  sua munição:
balas de goma
mofadas
a esmo disparadas
atingindo o próprio coração

quando a paixão é pouca
ao poeta  fatalmente
resta
a ironia:
rimas
são tiros à queima roupa
deliberadamente
à sua revelia.

“ANA CONTEMPORÂNEA”

me pague um chope
em troca eu chupo
o canto esquerdo
do seu lábio inferior
que eu juro que lhe adoro
que lhe tenho tanto amor
me pague um sorvete
e meu bilhete do metrô
que passeio contigo de mãos dadas
apesar desse calor
numa tarde de domingo na Antero de Quental
não me leve a mal
se eu não fechar os olhos
quando me beijar
mas fui adestrada
pra não me emocionar
mas posso fazer de conta
que lhe dou meu coração
se me pagar um prato feito
ou um mate com limão
sussurro no seu ouvido
sacanagens com paixão
e lhe deixo me exibir como prêmio
como um troféu, um bicho de estimação
me pague um drops, um cigarro
e um batom
meu chocolate preferido
que massageio o seu ego
lhe abraçando sem pudor
em pleno calçadão
como cachaça
não sou de graça,
mas também não saio caro.
sou a refeição mais barata
pra você comer no carro
ou num motel de quinta
numa sexta-feira cinza
depois do expediente
mas cuidado!
a minha língua
é aguardente
meu corpo é como pinga:
gastando pouco
se consome diariamente
e como a bebida, que vem da cana
você se torna dependente
da minha presença na sua cama
ou no banco de trás do seu veículo
e sem sua porra,
lambuzando o meu pescoço,
você se sentirá andando em círculos
por isso corra
enquanto é tempo
pois sou blindada a sentimentos
depois não diga que não avisei:
caso se apaixonar
a coisa muda de figura depois.
vou querer ser tratada como uma puta rainha
e meu preço sobe pra bandeira dois
daí em diante
enxergarei com desprezo
qualquer forma barata de tentar me impressionar
muito pra mim será pouco
lhe ordenarei, ir à esquina me trazer a lua
e caso não encontre, tudo bem
do mesmo modo, lhe arranco até a roupa do corpo
em troca, lhe dou prazer
lhe faço o ser humano mais realizado
e enquanto pego as chaves do conjugado
que comprou pra mim no Estácio
lhe faço crer
que gozo
de lhe ver
de dia, de tarde, de noite, de madrugada
que estou completamente apaixonada.


“RIO SHOW”

No Espaço Itaú, o amor dá o cu num banheiro todo mijado
sem projetar porra nenhuma.
No Roxy, o amor fede a passado
bebendo uísque falsificado numa banheira de espuma.
No Moreira Sales, o amor é teoria: conhece o mundo inteiro
e morre de cirrose e apatia nadando em dinheiro.
No Kinoplex Tijuca, o amor é dublado
não gosta de silêncio, pipoca quente, nem refrigerante gelado.
Na Estação Botafogo, o amor dispensa legendas: chega de metrô
e tem um caso antigo com Tarantino, Almodóvar e Truffaut.
No Cinemark Village Mall, o amor não se mistura:
chora no escuro, bota a culpa no filme e nunca perde a postura.
No NewYork City Center, o amor é emergente
feito um Woody Allen ao avesso: raso e incoerente.
No Cine Jóia, o amor não vale nada.
No Cine Santa, desce a ladeira.
No CCBB, sai de cartaz de mãos dadas com outro rapaz, toda terça feira.
No Multiplex Caxias, o amor é clichê.
No Leblon, celebridade.
Na Uruguaiana, pirataria
No Odeon, eternidade.

Trova de Herton Gomes

Jantar você foi uma delícia
mas não quero indigestão:
minha tara não é carícia
minha fome não é paixão.

“BARQUINHO DE PAPEL”

Na minha infância, nunca tive árvore de Natal.
No dia vinte e quatro não tinha essa história de ceia
a gente jantava o trivial
e depois ia dormir de barriga de cheia.
No dia vinte e cinco, nunca ganhei bicicleta, videogame
carrinho de controle remoto, abraço de pai, ou bola de capotão.
Eu me distraía olhando as estrelas
jogando bolita, rodando pião.
A caixa d’ água no quintal de casa
era meu oceano
onde feliz da vida eu navegava
com meu barquinho de papel.                                                                                      
A minha infância nem foi assim tão colorida,
mas eu ainda acredito em Papai Noel.

LIMERIQUE:

O papai vai chorar em cena
a mamãe não verá problema
junho de manhã
na Rua Sacopã
eu de paquera com um poema.


“NADA DE NOVO SOB O SOL DE 40 GRAUS”

“Feliz ano velho!”
Diz a puta fodida
por um gordo funéreo
na Central do Brasil.
“É dia de branco!”
Berra a nega suada
na Lapa currada
por um porco senil.
Entra ano, sai ano, outra vez, tudo igual:
a fé sai pelo cano de um revólver no Vidigal.
“Que tudo se realize
nesse ano que acabou de nascer!”
Deseja o pai de família
na Glória, debaixo do seu michê.
“Muito dinheiro no bolso,
saúde pra dar e vender!”
São os votos de um mendigo doente,
que só será atendido depois de morrer.
“Feliz ano velho!”
Grita o desempregado
escondido atrás do Evangelho
traficando em São Conrado.
“Que tudo se realize
nesse ano que acabou de nascer!”
Deseja o malandro em crise
roubando criança no Baixo Bebê.
“É dia de trampo!”
Canta o funkeiro sem fone de ouvido
de janeiro a janeiro
dentro de um 474 entupido.
“Saúde pra dar e vender!”
Murmura o coroa tarado
roçando o pinto no rabo
da estudante que pensa em morrer.
Entra ano, sai ano e o mais do mesmo acontece:
a gente repete promessas enquanto o Rio apodrece.
Entra ano, sai ano, é sempre a mesma canção:
na cidade do samba todo dia é réveillon.
Entra ano sai ano: inércia, engano.
40 graus de desgraça fritando o cotidiano.
Réveillon em Copa, au revoir!
Esse Rio já passou em minha vida
e meu coração se perdeu no mar.


ENTREVISTA COM OS FINALISTAS

         Agora teremos uma ótima oportunidade de conhecer mais e melhor sobre nossos dois grandes finalistas. Apreciem a deliciosa entrevista feita com os dois e o que revelaram sobre eles mesmos, sobre o concurso, enfim, sobre a vida.

Autores S/A: Primeiramente, pedimos a vocês que escrevam uma breve biografia de vossas vidas. Afinal, quem são vocês?

Ricardo Thadeu: Um professor de espanhol sossegado que gosta de fazer piada, ler e escrever poesia.

Herton Gomes: Acho sempre difícil fazer um resumo sobre minha biografia. Primeiro porque sou  prolixo, logo especialmente resumir minha vida, não é tarefa fácil. Nem sei onde minha vida começa. Nem sei onde ela termina. Nem sei onde ela recomeça.  Só sei que minha trajetória é assim: feita de começos, fins e recomeços.  Só sei que existe tantos dentro de mim, que o meu fim é sempre um recomeço; e meu começo é um recomeço sem fim.  Sou um homem verdadeiro ao extremo, que  sempre pagou caro pelo excesso de sinceridade. Nem tudo mundo está preparado para ter ao lado ao alguém tão de verdade. Mas o que entendem minha espontaneidade desmedida,  os que conseguem me enxergar além da superfície, costumam se apaixonar. Minha biografia  talvez possa ser definida assim: sou um  homem que se entrega, que arrisca, que diz o que pensa, que se declara, que nunca ficou em cima do muro, que toma partido, que se expõe, que tira a casca da ferida, pra ter a certeza que ela realmente parou de sangrar.  Sou paixão até debaixo da água embora ainda não saiba nadar. Sou ingênuo, romântico, visceral;  um leonino nato: vaidoso, exibido, gênio forte, decidido, divertido, exagerado, desesperado, sol e tempestade no mesmo céu. A minha biografia está impregnada desde o inicio de partidas, amores despedaçados, poesia, chocolate e pastel. A comida, o amor, a busca pelo sentido da vida, estão sempre presentes nos meus versos.  Sou formado em Publicidade, mas já larguei administração e Letras pela metade. E sonho em ser um ator, um autor, e um poeta de sucesso. Será que é pecado sonhar tanto assim? Será que Deus castiga quem sonha demais? Tomara que não! Enfim pra terminar essa apresentação, sou um homem que sempre segue em frente, mas de vez em quando olha pra trás. Talvez por isso eu trago o riso e a melancolia intrínsecos no meu coração. E o sangue quente pulsando nas veias.  É isso aí minha gente, sinceramente, não sou areia pra qualquer caminhão.

Autores S/A: À primeira vista, o que motivou vocês a se inscreverem no I Concurso de Poesia Autores S/A? Este objetivo foi alcançado durante o concurso?

Ricardo Thadeu: Este concurso sempre foi uma espécie de oficina para mim. Participei de várias edições e queria ganhar, claro. Mas nunca saí perdendo, apesar das eliminações. Escrevi dois, ou três bons poemas e isso não tem preço. Desta vez, além dos poemas, construí algumas amizades e conheci gente talentosa. Logo, o objetivo inicial, qualquer que tenha sido, foi alcançado. Quiçá, superado.

Herton Gomes: A possibilidade de ter meu primeiro livro publicado. Me sinto preparado para publicar um livro. Pronto não. Porque nunca vou me sentir pronto. Mas preparado para todo o aprendizado que um passo como esse possa me proporcionar.  Tenho urgência de compartilhar  meus versos  e a rede social não dá conta de toda essa minha urgência que nada mais é que um  alarme do meu coração, dizendo que chegou a hora da minha dor, do meu riso, da minha espera, virar livro.  Por isso me inscrevi. Naturalmente, durante o percurso fui descobrindo  que além da possibilidade do livro publicado, crescia como artista com a troca, com os desafios propostos no Concurso, com a avaliação da vários jurados que me incitaram a momentos valiosos de reflexão (nem todos é óbvio, alguns foram tão arrogantes, tão donos da verdade, que vou te contar!), descobrir também que é possível escrever um poema encomendado sem ser burocrático, sem abrir mão da minha intuição,  foi libertador! E os encontros com pessoas incríveis como Marília Lima, Ricardo Thadeu, Bianca Velloso, André Oviedo, Natasha Félix, Francisco Carvalho, Dora Oliveira, Maria Amélia e Cinthia, foram especiais por motivos impares com cada uma delas.  O encontro com Marília, Ricardo e Bianca foi tão orgânico, tão gratuito, tão sincero, tão edificante que me cobriu de afeto e gratidão! Natasha me arrebatou com sua intensidade e juventude tão visceral. E arrisco a dizer que o meu transbordar também chegou até sua alma. André Oviedo! Meu Deus! A beleza e a dor dos seus versos, me dilatam, me refletem, me angustiam, me aliviam, me inundam como poucos poetas me fizeram a vida inteira, virei fã, admirador, seguidor  e grato por traduzir a minha dor para sempre. Francisco, quanta elegância num só poeta! Com Dora, Maria Amélia  e Cintiha , tirei do armário o meu atleta. Nos estranhamos,  e competimos com a toda a dignidade de um jogador. Essas três poetas tão lindas, despertaram a minha essência de competidor. Mas depois me rendi a elas. São cores vivas de uma aquarela  chamada poesia.  Eu disse nos estranhamos, mas talvez o estranhamento tenha sido por minha parte,  de vez em quando o meu espírito de competidor encrenqueiro incita o combate. Mas foi lindo ver a transformação da relação com essas três mulheres tão especiais.  Uma delas me escreveu dias desses, dizendo que estava orando pela minha vitória na competição.  Ou seja, a publicação do livro é a lua, mas se eu não tocá-la, tenho certeza que toquei e fui tocado pelas estrelas.

Autores S/A: Qual é a relação de vocês com a Internet? Publicar os trabalhos literários na Internet pode banalizá-los?
Ricardo Thadeu: A internet é uma ferramenta necessária, ou melhor, indispensável; mas não fico 24 horas conectado. Não, pelo contrário: a internet, se usada da maneira correta, pode ajudar o escritor. Alguém pode publicar um poema no facebook, por exemplo, e receber alguns comentários importantes, incentivadores e, é claro, aquele “feedback” de outros poetas. Isso é muito importante. Meu primeiro livro é composto basicamente por poemas que publiquei de 2008 a 2009 no meu blog.

Herton Gomes: A internet  é uma ferramenta que me permite divulgar a minha poesia, me comunicar com meus leitores, e também me inspirar. Hoje um número bem relevantes de pessoas conhece minha poesia. Sem a internet teria sido bem mais difícil chegar até elas, especialmente não tendo nenhum livro publicado. Não acredito que a publicação dos meus textos na internet possam banaliza-los. A menos que eles já sejam banais. 

Autores S/A: Qual obra de arte vocês mais apreciam no campo musical e da pintura?

Ricardo Thadeu: Sou apaixonado por rock clássico, mas não abro mão de uma galera do nordeste que cresci escutando (Geraldo Azevedo, Luiz Gonzaga, Alceu Valença, Tom Zé, Zé Ramalho, Fagner). Sou fã de Juraci Dórea, artista plástico feirense de extremo talento.

Herton Gomes: Los Hermanos é minha grande inspiração. A melancolia e a criatividade pulsante de suas letras me alimentam. Magritte é meu pintor favorito. Sua atemporalidade me ilumina.

Autores S/A: Qual é o livro de cabeceira de vocês?
Ricardo Thadeu: São dois: “Todos los fuegos el fuego”, de Julio Cortázar; e “Amálgama”, de Roberval Pereyr.

Herton Gomes: “Poesias Nunca Publicadas”, de Caio Fernando Abreu. 

Autores S/A: Parafraseando Rilke, um poeta de verdade, que tem a poesia como guia, saberá enfrentar a solidão. A solidão lhes é benéfica? O poeta é um solitário por excelência ou seus poemas são válvulas de escape da solidão?

Ricardo Thadeu: São duas coisas diferentes: escrever para enfrentar a solidão e ter a leitura como companheira. A escrita é um ato solitário. Escrevendo meus poemas, não me sinto menos só. Eu preciso estar só. No entanto, a leitura de um bom poema pode servir como uma excelente companhia.

Herton Gomes: A solidão é essencial para a minha poesia. Assim como a comunicação com o mundo lá fora. Cinema, teatro, praia, academia, conversa fiada com um amigo de longa data na sorveteria, flerte na mesa do bar, sexo, fila de banco, um copo de açúcar emprestado no vizinho, tudo, absolutamente tudo é ingrediente para a minha inspiração. Vivo num constante brainstorming. E nesse processo a solidão  também é fundamental, para que ouça o que as paredes têm a me dizer, para que eu escute o barulho do ar condicionado,  para que eu goze da minha liberdade, para que eu padeça de saudade, para que eu pense demais.  Para que eu visite os cantos mais recônditos da minha alma. Uma boa dose de solidão diária faz um bem danado à minha poesia.

Autores S/A: Qual é, ou qual foi, o sonho mais louco de vocês? Sonhos e desejos vão se transformando em poesia enquanto não são concretizados?
Ricardo Thadeu: Eu encontrei comigo mesmo em sonho. Foi uma coisa estranhíssima. A gente se vê no espelho todos os dias, mas não espera encontrar aquele “eu” no meio da rua. Já escrevi alguns poemas sobre isso, mas nenhum conseguiu chegar perto de expressar o estranhamento daquele encontro.

Herton Gomes: Quero levar minha poesia para a tv, para o cinema e para o teatro. Espero concretizar esse sonho e se não concretiza-lo ou ele vira frustação ou vira poesia. Que seja a segunda opção.

Autores S/A: Se alguém lhes pedisse para definir “quem é você” através de um poema, qual poema você escolheria para defini-lo?

Ricardo Thadeu:

CONTEMPLAÇÃO DA NUVEM (Antonio Brasileiro)
A vida é a contemplação daquela nuvem.
E o mundo
uma forma de passar, que inventamos
para não ver que o mundo não é o mundo,
mas uma nuvem
                               passando.

E uma nuvem passando
ensina-nos mais coisas que cem pássaros
mil livros            um milhão de homens.

A vida é a contemplação daquela nuvem.
E o mundo
uma forma de passar, que inventamos
para não ver que o mundo não é o mundo,
mas uma nuvem.
                               Passando.

Herton Gomes: “Cara estranho”, dos Los Hermanos, não me define, mas diz muito sobre mim. Me identifico muito com essa letra. Me definir, ainda não encontrei um poema, ou letra  que desse conta disso. Tá pra nascer a música ou poema capaz de definir. 

Autores S/A: Qual poeta desta competição teria vaga nesta Grande Final além de vocês? E por quê?

Ricardo Thadeu: Não dá para dizer um. São muitos, li muita gente boa. Alguns saíram “no detalhe”, outros tiveram sorte. Veja o meu caso: saí nas fases preliminares e ganhei uma segunda chance por conta de desistências.

Herton Gomes: André Oviedo! Com Certeza! Porque tudo que ele escreve é repleto de beleza, som, dor, saudade, partida, vontade, desejo, melancolia e amor.  Porque seu poder de síntese é arrebatador. O livro dele também virou meu livro de cabeceira. Sua poesia é afiada, declarada, e essencial pra quem já viveu ou há de viver um grande amor. 

Autores S/A: Quem foi o jurado que mais acresceu e enriqueceu o certame com seus comentários durante a competição?
Ricardo Thadeu: Quero registrar que, a partir da fase de grupos, senti certa má vontade de alguns jurados. Todo mundo tem direito de não gostar de um poema e quem julga tem o dever de manifestar isso. Mas não custa nada justificar a escolha sem menosprezar. Gostei dos julgamentos de Cíntia Moscovich, Flávio Morgado e Julián Fuks, sendo a primeira um belo exemplo de simplicidade e elegância na avaliação.

Herton Gomes: A Thelma Guedes. Com elegância e sutileza, sem deixar de ser firme ou crítica, ela tocou em pontos muito relevantes que me abriram horizontes, como, por exemplo, a importância de deixar pra  “explodir” um poema do meio para o final. E não começar com ele já estourando, em virtude do grande risco dele ir perdendo sua força durante o caminho. Ela também me alertou sobre a importância que existe na poesia de se buscar tocar num assunto sem precisar ser tão direto, ou cru. Mas disse sem arrogância ou pretensão de querer enfiar na minha goela uma cartilha de como se fazer poesia. Senti isso em relação a alguns jurados. Achei arrogante ouvir de alguns que poesia se faz assim, poesia se faz assado, poesia não pode ser longa, poesia não pode ser curta demais. Não pode? Onde é que está escrito que não pode? Poesia não é bolo de caixinha que a gente compra no mercado Mundial e depois acrescenta dois ovos e uma xícara de leite. Naturalmente que os jurados em sua maioria acrescentaram, somaram, edificaram, inclusive quando não pouparam em avaliações mais duras. E pude absorver muitas reflexões positivas, mesmo quando assim se deu. Agora quando a avaliação vinha repleta de prepotência, a única vontade que me dava era de nem sequer conhecer a obra desses donos da verdade. A Thelma é um exemplo claro de quem conseguiu analisar com coerência, sinceridade e elegância. Acredito que o principio de qualquer poema, é tocar ou não tocar. Acho que alguns jurados que andam com suas cartilhas debaixo do braço, deviam inserir esse tópico nelas. Ou melhor, deviam rasgar essas cartilhas e ignorar todas as outras regras. Afinal é tudo relativo, subjetivo e toca ou não toca. Simples assim.

Autores S/A: Em qual etapa deste concurso vocês tiveram mais dificuldade na elaboração do poema? E por quê?

Ricardo Thadeu: A final. Além da pressão típica da fase, um tema livre (não tão livre assim), depois de uma série de fases temáticas, me deixou um pouco inseguro.

Herton Gomes: No poema infantil. Fiquei meio confuso nesse desafio de me comunicar com esse publico. Adoro crianças e sou bastante infantil, mas tive dificuldade em encontrar o tom de um poema que dialogasse com as crianças e ao mesmo tempo não fosse “tatibitati”. Mas fiquei muito feliz com o júri surpresa. Achei o júri mais autêntico do que o júri escolhido pra avaliar aquela etapa. Alias, o júri daquela etapa, em sua maioria, foi no meu ponto de vista uma decepção. 

Autores S/A: Qual o papel, a importância da poesia em sua vida, e como se dá o seu fazer poético? Existe algum método em seu processo poético?

Ricardo Thadeu: A poesia é aquele fio de expectativa e espanto que faz a gente não perder a fé na vida. Passei muito tempo escrevendo poema piada. Cansei. Hoje, escrevo tentando expor minhas inquietações. Aquela configuração que usei no concurso (estrofes de dois versos) parece-me a melhor para dizer o que quero dizer sem abrir mão de certo lirismo. Nem sempre consigo. Quase nunca, na verdade. Por isso, tenho aproveitado poucos poemas. E diminuído a extensão de alguns deles.
Herton Gomes: A poesia corre nas minhas veias. Escrevo para continuar. Para não me jogar da janela do apartamento. Pra não comer um pote inteiro de Nutella. Pra aguentar a saudade, o fracasso, a ruptura, o corte, o chute, a queda, a separação e a derrota. Quando a minha vida fecha as duas janelas, a poesia me abre uma porta. Não tenho nenhum método. Mas a música é uma ferramenta sempre presente que aguça minha inspiração. Ah, e gosto de escrever a primeira vez, na timeline do meu facebook. Não pode ser em notas. Tem que ser no facebook. Direto. Com o risco da rede cair e eu perder todo o meu trabalho poético. É isso. Se tem um método. Talvez seja esse: escrever flertando com o risco de perder tudo que escrevi. Lembrei  de outra coisa: a casa arrumada demais me atrapalha. Preciso de um certo caos domestico. Alguma cama desarrumada, algum livro fora do lugar. Casa organizada demais, me esvazia.

Autores S/A: Sabemos que todos são vencedores. Os desafios deste concurso não foram nada fáceis. Mas sabemos também que todos entram em uma competição para vencer, embora perder não seja um verbo apropriado em um certame onde tanto se ganhou. Agora respondam, sem rodeios, por favor: por que você merece vencer este concurso de poesia?

Ricardo Thadeu: Mereço pelo mesmo motivo que Herton merece: cheguei até a final e venci as fases com coragem, paciência e suor.

Herton Gomes: Nossa! Estou sentindo num Big Brother! Acredito que todos merecemos ter ganho essa competição. Mas já que essa pergunta é direcionada a mim, vamos lá! Mereço porque me joguei de corpo e alma nessa competição. (Continuo me sentido no BBB)! Mereço porque minha poesia ferve, rasga, sangra, sem censura ou piedade. Mereço porque nunca publiquei um livro. E porque minha vingança (aquela que é irmã gêmea da superação), lembram? Pois é, ela não estaria completa, se eu não ganhasse no final. E porque, apesar de nunca ter sido o mais cotado pra chegar até aqui, eu cheguei. E essa sensação de quebrar paradigmas, de driblar as probabilidades e vencer, seria surpreendente. Mereço porque, apesar dos lugares comuns que visito, da falta de rima sofisticada, da ausência do poder de síntese, apesar do clichê e do sentimento autobiografado em tantos versos meus, minha poesia é especial, porque toca lá no fundo. E emocionar é que há de mais universal.

BATE-BOLA:

Defina, em poucas palavras, o que é, para você:

POESIA:
Ricardo Thadeu: magia, a única e verdadeira
Herton Gomes: Vital

AMOR: 
Ricardo Thadeu: Conforto
Herton Gomes: Poesia

FAMÍLIA:
Ricardo Thadeu: cumplicidade máxima
Herton Gomes: A minha

DOR: 
Ricardo Thadeu: necessária
Herton Gomes: A minha, a do vizinho, a da caixa do supermercado, a velho na fila do pão. E do resto do mundo. A dor só muda de endereço, mas dói igual.

LEITURA:
Ricardo Thadeu: indispensável
Herton Gomes: Sensorial

COMPETIÇÃO:
Ricardo Thadeu: Jogo, só isso.
Herton Gomes: Prazer e tortura

CRÍTICA:
Ricardo Thadeu: Imperativa
Herton Gomes: Uma opinião. Seja positiva ou negativa. É só UMA opinião.

CAMPO PLATÔNICO:
Ricardo Thadeu: Aeroporto de ideais
Herton Gomes: Perda de tempo que não é desperdício quando vira poesia.

PRECONCEITO:
Ricardo Thadeu: Burrice humana
Herton Gomes: Luto diariamente para não ter nenhum. Mas tenho alguns.

VITÓRIA:
Ricardo Thadeu: Pequeno céu na terra
Herton Gomes: Única possiblidade

DERROTA:
Ricardo Thadeu: Uma vitória adiada
Herton Gomes: Minha tragédia particular

MORTE:
Ricardo Thadeu: Episódio final do filme das nossas vidas
Herton Gomes: A minha. Antes da morte dos meus.

ARTE:
Ricardo Thadeu: A existência que é não sendo
Herton Gomes: Aquilo que toca. E reverbera.

PERGUNTA ESPECIAL PARA: RICARDO THADEU

Autores S/A: Ricardo, meu caro, você já participou dos outros 3 concursos organizados pelo Autores S/A e ficou bem próximo da vitória. Neste, até então, foi o que chegou mais longe e está a um passo de se sagrar campeão. Qual diferença você percebe entre este e os certames anteriores que participou? Por que não fora tão bem sucedido nos outros? Acredita que tenha acontecido uma evolução de sua parte, como poeta? Acredita que, depois de tantas tentativas, encontraste a “fórmula”, ou a “manha”, do jogo? Ou os candidatos não foram “páreos” como nos outros concursos?

Ricardo Thadeu: Como eu disse, em algumas rodadas, apostei numa estrutura de poema que me pareceu a mais “segura” sem escapar do meu estilo. Não deu para mantê-la em outras rodadas. No infanto-juvenil, por exemplo, tive que bolar outro “esqueleto” e, apesar dos erros ortográficos (imperdoáveis!), fiquei na disputa. Contei com a sorte também: rolou uma empatia de alguns jurados com os poemas, penso eu. Em todas as edições, tinha gente muito boa. Alguns reapareceram como jurados, outros se classificaram novamente. E, nesta edição, não foi diferente: muita gente talentosa, poetas de verdade!

PERGUNTA ESPECIAL PARA: HERTON GUSTAVO GOMES

Autores S/A: Herton, meu caro, você é ator e poeta. Em qual dessas áreas você se sente mais a vontade? Atuando ou escrevendo poemas? Ambas as artes se complementam em sua vida? Como? 

Herton Gomes: Me sinto a vontade nas duas àreas. Mas quero me dedicar cada vez mais a carpintaria da palavra. Além de ator, e poeta, eu também sou dramaturgo. Inclusive finalista do Projeto Sesi de Dramaturgia Novos Autores do Rio de Janeiro. Acredito que meu autor alimenta meu ator que alimenta meu poeta. E eles se retroalimentam. Minha poesia carece ser falada em voz alta, e essa carência é o meu ator e autor também que impõe. Existe teatro na minha poesia. E muita poesia no meu teatro. A poesia é minha namorada. O teatro é meu amante. Sou definitivamente bi.



JÚRI DA GRANDE FINAL

O júri da final será composto e estruturado da seguinte forma:
-         No total, serão 16 jurados mais o voto do público, totalizando 17 votos.
-         14 jurados julgarão apenas a leitura dos dois poemas.

-         02 jurados julgarão os vídeos das declamações, levando em consideração a interpretação, a gravação, enfim, o poema em sua forma audível.


VOTAÇÃO POPULAR

A votação popular nesta final terá muita significância. O poeta mais votado pelo público receberá, no ranking geral, 01 voto. A essa altura, 01 voto pode decidir o concurso!
Poetas, convoquem suas torcidas, seus leitores, enfim, massifiquem a internet com vossos poemas. Mas lembrem-se de enfatizar que: OS VOTOS SÓ SERÃO VALIDADOS SE FOREM FEITOS NOS COMENTÁRIOS DESTE POST, LOGADO PELA CONTA DO GOOGLE. ANONIMOS E APENAS COM NOMES NÃO SERÃO ACEITOS.
A votação será encerrada na quinta-feira, às 19 horas.
Boa sorte!

POEMAS DA GRANDE FINAL

Abaixo, apreciem a leitura dos poemas finalistas. Cada um deles teve de impor 03 palavras ao outro. Como era de se esperar, um tentou dificultar a vida do outro. Ricardo Thadeu impôs as palavras “coadunar, piço e ortônimo”; já Herton optou por impor “inconstitucionalização, inexorabilidade e buceta”. Vejamos o que resultou dessa aventura!

DUELO FINAL

Títulos

“Percurso”
(Ricardo Thadeu - BA)





X

“Alonso”
(Herton Gustavo Gomes – RJ)





Título: Percurso (Ricardo Thadeu)



video


No silêncio da língua,
afio as palavras.
Todas tão belas e tão bravas.

São todas feras, como a palavra magma
e como a palavra buceta que, na língua,
queima em brasa.

Amolo as palavras extintas e           arredias
que serpenteiam
no movediço terreno do idioma.

Regulo seus sentidos e recebo um não
das palavras código, égua
                                 e inconstitucionalização.

Contrario a inexorabilidade do ofício:
desafio os vocábulos, desafino a sintaxe
e os ouvidos.

Subverto a lâmina das palavras
para, novamente, (no silêncio) afiá-las.


Título: Alonso (Herton Gustavo Gomes)


video


Alonso não volta.
Sentenciou Padre Olavo, previu a cigana Yolanda
cujo ortônimo era Maria da Conceição;
garantiu o carteiro Hermógenes da Silva de Alcântara Machado
com aquele nome rebuscado
de chefe de repartição.
Olha, seu poeta, Alonso não volta mais.
Pro seu CEP só tem a fatura da Light, do Banco, da Renner e do Gás.
Alonso não volta. Garantiu Edilamar, minha analista.                                    
Poeta, sofrer de amor só é bonito na revista.
Arranja uma moça, vai lavar  louça, deixa de desperdício, encontra outro vício, outro ofício, outro hobby, outro norte, outro rapaz!
"Arranja outro bofe!"
Sugeriu Divandir, o cabeleireiro,
que Alonso, esse truqueiro,
não volta mais.
Alonso não volta.
Disse com uma voz robótica a locutora do metrô.
Desça na próxima estação,
que nesse vagão é proibido sofrer de amor.
Meu filho, escuta sua mãe: com tanta gente no mundo,
vai se coadunar justo a quem não te quer?
Dona Lourdes, Dona Lourdes!
Em assunto do coração, ninguém mete a colher.
Extra! Extra! Alonso não volta! Disparou Josimar, o jornaleiro.
Não é boato ou fofoca, mas não se fala noutra coisa no Rio de Janeiro.
E disse Dalila, a atendente da sorveteria desaforada e sem compaixão:
“Alonso não volta, meu camarada. Só tem sorvete de limão”.
Marco Aurélio da Cunha Siqueira, gerente do Bamerindus,
também não disse nada diferente.
Alonso não volta. Se contenha.                                                                                    
Digite sua senha, mas antes
me informe o número da sua conta corrente.
E sem fazer rodeios, me deu o troco, Soraia Ribeiro,
a caixa pessimista do supermercado Mundial.
Alonso não volta.  E não: outro piço você não encontra igual.
Reginaldo, o técnico de informática,
concluiu depois de formatar o meu computador : não tem conserto.
Alonso não volta não, senhor.
Karen Botelho, a oftalmologista zarolha,
disparou só pra me contrariar:                                                                                      
se me permite um conselho,
sai dessa bolha e se enxerga, querido. Alonso não vai voltar.
Alessandra Trindade , a âncora sensacionalista do jornal do meio-dia,
informou que Alonso não volta, e que já passou da hora de eu fazer terapia.
Já faço, ô vadia!
Josias, o vendedor seboso de cachorro quente,
Adelaide, a manicure mão de vaca,
Gomides, o guarda municipal, e o resto do mundo,
incluindo Edmundo, o esquisito professor de canto,
disseram em coro: Alonso não volta. Enxugue esse pranto.
E só de pirraça não parei de chorar.
Embora eu saiba que, mais dia, menos dia,
só pra calar a boca dessa gente atrevida, invejosa e vazia,
Alonso há de voltar.

POESIA POESIA POESIA POESIA POESIA POESIA POESIA POESIA 


E ENTÃO? QUEM LEVARÁ “O CANECO” DO III CONCURSO DE POESIA AUTORES S/A? FAÇAM SUAS APOSTAS! NA QUINTA-FEIRA, DESCOBRIREMOS QUEM SERÁ O GRANDE VENCEDOR!

ATÉ LÁ! E VOTEM, VOTEM MUITO!

PARCEIROS:

EDITORA PATUÁ
CRIARTE EDITORA
SEC. DE CULTURA DO ESTADO DO RJ

AUTORES S/A:
UMA SOCIEDADE DIFERENTE DAS OUTRAS

215 comentários:

1 – 200 de 215   Recentes›   Mais recentes»
Sérgio Bernardo Correa disse...

Dois extremos estilísticos, no entanto, ambos com muita poeticidade. Meu voto vai para o poema 'Percurso', do Ricardo Thadeu.

Ada Gama disse...

Herton Gustavo já levou! "Alonso" é o vencedor. Bravo!!

Jessica Makrislla disse...

"Alonso" com certeza!!!

Jéssica Makrislla disse...

Alonso-Herton Gustavp... Arrasouuu

Luciana Lima disse...

HERTON GUSTAVO!!

Simone Prado Ribeiro disse...

Esses dois poemas e essas recitações... que coisa mais linda!Faz a gente evoluir, crescer espiritualmente; se emocionar.
Amei a poesia "Percursos", mas qdo assisti ao vídeo do Herton, me arrebatou! Levei aquela história pra casa e tranquei a sete chaves que é pra nunca mais sair. Que show, que talento! Amei, amei!
Meu voto vai para " Alonso", que é e será eterno .

Mesmo assim, desejo sorte aos dois grandes poetas!

Marina de Carvalho disse...

RICARDO THADEU!

Carol disse...

Os dois estão de parabens, mas meu voto vai para Herton Gustavo com a poesia Alonso!!!

Rodrigo Carvalho disse...

Ricardo Thadeu

Caique carvalho disse...

Ricardo Thadeu.

Kelly Thaynan Juvenal disse...

Alonso - Herton Gustavo

V disse...

ALONSO - HERTON GUSTAVO!!

JAQUELINE disse...

HERTON GUSTAVO

É MUITO CRIATIVO E MUITO HARMONIOSO COM AS PALAVRAS

V disse...

ALONSO - HERTON GUSTAVO!!

V disse...

ALONSO - HERTON GUSTAVO!!

V disse...

ALONSO - HERTON GUSTAVO!!

Winny Fernandes disse...

Voto no poema ''Alonso'' de Herton Gustavo Gomes

Talita Almeida disse...

Alonso, Herton Gustavo

Alonso disse...

Alonso - Herton Gustavo

C@rlos disse...

Herton Gustavo

Júlio Arnaud disse...

Herton Gustavo!!! 10!!!

gisele grynsztejn disse...

Alonso Herton Gustavo

Gerci Godoy disse...

Alonso Herton Gustavo

cristina fagundes disse...

Os dois são realmente ótimos mas fico com Herton Gustavo por sua provocação, sua ousadia e assinatura.

Marcelly Souza disse...

Parabéns aos dois, mas meu voto vai pra Alonso - Herton Gustavo.

JIVM disse...

Meu voto é para o poema "Percurso", do Ricardo Thadeu.

Mariana Sasso disse...

Alonso é perfeito, torcendo muito pelo Herton Gustavo

Pollyana Almeida disse...

Poema Alonso de Herton Gustavo.

J. Raphael disse...

Alonso há de voltar :)
Herton gustavo!

Flavia Almeida disse...

Com certeza "Alonso" Herton Gustavo.

Nat disse...

Herton Gustavo!

Elaine disse...

Voto em Alonso, de Herton Gustavo

Rafael Bento disse...

Ricardo Thadeu

Paloma Santos disse...

Ricardo Thadeu, com certeza!!

abiemal disse...

Herton Gustavo!

Lidi disse...

Ricardo Thadeu

Marcos José disse...

Ricardo Thadeu!!!

Guilherme Semionato disse...

voto no poema do herton.

Rayra Antunes disse...

"Alonso" de Herton Gustavo.
Parabéns!!

Ivanita disse...

Ricardo Thadeu

Darlana Lorençatto disse...

Alonso de Herton Gustavo merece o Caneco vencedor!!!

Hugo Carvalho disse...

Herton Gustavo!!

Luana Dias disse...

Ricardo Thadeu com o poema Percurso.

Diogo Marques disse...

Apesar de ter gostado dos 2, eu voto no poema "ALONSO"do HERTON GUSTAVO. Pelos motivos listados: identificação( gostei mais da leitura. Simpatizei mais com o poema em questão), utilização das palavras sugeridas( gostei de como ele se utilizou das mesmas para construir ou complementar as idéias. As Palavras, que eram complexas e muito bem escolhidas, por sinal, foram sabiamente trabalhadas e encaixadas no poema através de combinações não óbvias) e desenvolvimento( gostei mais dos caminhos tomados pelo autor para contar sua história. Quem sabe Alonso não volta, afinal? Rs).

Geoensitec disse...

RICARDO THADEU

Dayvannil Rodrigues disse...

Alonso - Herton Gustavo, obrigada por nós presentear com essas obras primas que são suas poesias, que encanta e me faz viajar sem sair de casa!!!! Parabéns por seu belo trabalho!!!

eduagro gomes disse...

o poema alonso é muito linndo, e pra mim que sou leigo no "mundo poetico", quando assisti o video, do Herton, consegui transformar em realidade em minha cabeça, axo que nunca tinha lido algo que tivesse me envolvido,e feito com que as palavras saisem do papel pra mim! Herton, indiscutivelmente meu voto é seu!

Suelli Luna disse...

Alonso
Herton Gustavo.

Adryann Souzza disse...

Alonso, poema fascinante parabens

Alberto disse...

Alonso de Herton! Palavras em inspiração!

Clarissa Macedo disse...

Percurso, de Ricardo Thadeu!

Camila JEsus disse...

Percurso, de Ricardo Thadeu.

Bruno Barbosa Gomes disse...

Alonso / Herton Gustavo

Martha disse...

RICARDO THADEU

Marcos Antonio disse...

Ricardo Thadeu!!!

Marcelo Asth disse...

Voto Ricardo Thadeu!

Quem disse que na vida da gente não tem poesia? disse...

Os dois poemas estão demais, mas fico com Alonso, do Herton, que é mais visceral!

daniele geammal disse...

"Alonso" de Herton Gustavo

Natália Rosa disse...

ALONSO, de Herton Gustavo.

Ana Luíza Salomão disse...

Sem dúvidas voto em "Alonso" de Herton Gustavo!

Rafaella Zanol disse...

Herton Gustavo !

Marla de Assis disse...

RICARDO THADEU É O POETA DESSA PARADA

Romulo Carneiro disse...

Ricardo Thadeu com o poema Percurso.

Luisa Schurig disse...

Herton Gustavo é claro. Sua poesia é viva, puro sentimento que toca, retoca, se troca, parecendo beijo roubado de verão. Alonso há de voltar.

Mirdad disse...

Ricardo Thadeu!!

Anônimo disse...

Herton Gustavo

Georgio Rios disse...

Ricardo Thadeu. Segue este voto pois no primeiro recebi uma mensagem de erro.

belinha disse...

Ricardo Thadeu

Anônimo disse...

"Alonso" de Herton Gustavo!!! Parabens

Maria Tereza Santos disse...

VOLTA, Alonso! Volta!
Meu voto é do Herton

Ingrid disse...

ALONSO, de Herton Gustavo.

Unknown disse...

Alonso (Herton Gustavo Gomes)

Danielle Dias disse...

Herton Gustavo. ALONSO

Saulo Adorno disse...

Ricardo Thadeu. Belos poemas, parabéns!!! Você merece.

André disse...

Alonso vai voltar sim. Parabéns, Herton. Tem meu voto. O placar final: Herton 3X1 Ricardo

Marta Montenegro disse...

Claro que é o Ricardo Thadeu.

Anônimo disse...

Ricardo Thadeu!

Autores disse...

Amigos leitores e eleitores!

Está ocorrendo, em alguns momentos, um BUG nos comentários devido a grande manifestação de votos que estamos recebendo. Persistam! Aqui não tem Black Friday, mas também dá bug, hehe.

Obrigado pela compreensão, vamos em frente! Até quinta-feira!

Lohan Lage

Tarlei Martins Ferreira disse...

Ricardo Thadeu.

Simone Prado Ribeiro disse...

Theo Pereira vai ficar com inveja diante de tantos cliques a ponto de congestionar o blog. Sucesso aos autores dessa festa poetica!!! Bjsssss

Ana Clara Teixeira disse...

Ricardo Thadeu!

Dani L. disse...

Herton Gustavo!
Também acho que Alonso não volta, mas estou certa que Herton ganha! Sua intensidade e entrega merecem ser registradas nesse livro!

Flavia Matos disse...

Ricardo Thadeu

Weudys CF disse...

Alonso, Herton Gustavo! Alonso will return!

Os Trágicos disse...

Herton Gustavo Gomes!
Meu voto é dele.

George Luis disse...

Herton Gustavo demostra talento, criatividade, paixão, vida! Poesia na veia. Quero ler o livro dele!

Ana Carolina Oliveira disse...

Ricardo Tadeu!

Te Milhomem disse...

Alonso - Herton Gustavi

Camila Lorenzo disse...

Herton Gustavo na cabeça !

Maria Almeida disse...

"Alonson" de Herton Gustavo.
Lindo emocionante e o Eterno Alonson é tudo que sempre sonhamos ser. "Jamais esquecido" Esperança....que move nossos sonhos.

Madalisa Suematsu disse...

Herton Gustavo, claro!

andré disse...

Herton Gustavo

tauany disse...

Herton Gustavo

nene disse...

Herton Gustavo !!!

joaquim disse...

Herton Gustavo!!!!com certeza!!!

Unknown disse...

Voto em "Alonso", de Herton Gustavo!

marta anjos disse...

RICARDO THADEU!
JÁ GANHOU!

Júlia Sarmento disse...

Alonso Herton Gustavo

rita beatriz Ritinha disse...

Herton Gustavo!

rita beatriz Ritinha disse...

Alonso Herton Gustavo!

rita beatriz Ritinha disse...

Sem dúvida, Herton Gustavo!

rita beatriz Ritinha disse...

Herton Gustavo!

rita beatriz Ritinha disse...

Concerteza, Herton Gustavo ..

rita beatriz Ritinha disse...

Poema: Alonso de Herton Gustavo!

rita beatriz Ritinha disse...

Herton Gustavo!

rita beatriz Ritinha disse...

Alonso

Rodrigo Marnet disse...

É engraçado esse "negócio" de poesia. Mal o conheço. Apenas através da postagem de um amigo em comum no facebook. E lendo todo o trajeto, interessado eu mesmo no concurso, não teve outra. Arrebatador. Safado e sincero. O poético rascante. Quero comprar o livro depois de publicado. Meu voto vai pro Herton Gustavo - Alonso.

Kelma disse...

Herton Gustavo é o vencedor.

Isabella Ramos disse...

Alonso Herton Gustavo

Talita disse...

Alonso, do Herton Gustavo. Adorei!

Nívia Terra disse...

Prefiro os ousados, os que quebram regras, os loucos, os impetuosos! Herton Gustavo Gomes é o meu voto.

Thais Borges disse...

Sem Sombras de duvidas meu voto e pra ti garoto Herton Gustavo.

Tito Pereira disse...

Ricardo Thadeu!! Parabéns poeta!!

mariana paim disse...

Ricardo Thadeu!

Arthur Rozas de Siqueira disse...

ALONSO - HERTON GUSTAVO!!!

Daniela Domingues disse...

Herton Gustavo!

Anônimo disse...

Herton Gustavo Gomes - ''Alonso''

Weslei Oliveira disse...

Herton Gustavo Gomes - ''Alonso''

Lukita disse...

Herton Gustavo Gomes - ''Alonso''

rita beatriz Ritinha disse...

Herton Gustavo!

Marilena Pimentel disse...

Alonso Herton Gustavo- Simplismente lindo...

Joaquim Ribeiro disse...

Herton Gustavo Alonso lindo

Eduardo Pimentel disse...

Herton Gustavo Alonso mui lindo

Rafael Pimentel disse...

Herton Gustavo Alonso lindo

Joaquim Júnior disse...

Herton Gustavo Alonso lindo

Emylle Caroline disse...

Herton Gustavo Alonso lindo de mais

Felipe Silcler disse...

Herton Gustavo - Alonso. (Primeiro: Gosto de poemas que fluem e tocam a alma. Segundo: Compraria e leria ansioso os poemas de Herton) Que assim seja e que venha a vitória. :)

Hugo Santos disse...

Ricardo Thadeu concerteza!

rita beatriz Ritinha disse...

Herton Gustavo

rita beatriz Ritinha disse...

Herton Gustavo

rita beatriz Ritinha disse...

Alonso, de Herton Gustavo! Perfect.

Karolline Rodrigues disse...

Alonso, de Herton Gustavo.. É O MELHOR!!

Rauleone Teles De Oliveira disse...

Herton, a melhor poesia sem duvidas.!

Jessica Trajano disse...

Alonso, Herton Gustavo!! Muuuito bom :)

rita beatriz Ritinha disse...

Herton Gustavo, com o poema Alonso, AMEI..

rita beatriz Ritinha disse...

Alonso... Alonso... Alonso...

rita beatriz Ritinha disse...

Alonso... Alonso... Alonso...

Valéria Zucchinali disse...

ALONSO. Amo ler as poesias do Herton. Moro na Italia e as poesias dele me atravessam como se ele estivesse aqui perto de mim. Espero poder comprar o livro do Herton na proxima vez que eu for no Brasil.

maikon walace disse...

HERTON, o melhor poema!!!

Alice Giovana disse...

Ricardo Thadeu.

Maiara disse...

Herton Gustavo :)

Guidi Vieira disse...

Alonso - Herton Gustavo

Joana disse...

Alonso - Herton Gustavo.

Luciano Ferreira disse...

Ricardo Thadeu

Glaucia Victor disse...

ALONSO VOLTA SIM PORQUE NINGUÉM NORMAL CONSEGUE ABANDONAR HERTON GUSTAVO ! . AFIRMO QUE O CARA VOLTA...SÓ DEU UM TEMPO...HERTON GUSTAVO SANGRA DENTRO DA GENTE , DILASCERA NOSSAS ALMAS EM CADA PALAVRA , FRASE , ESTROFE DE SUA POESIA . HERTON GORDO OU HG MAGRO É SEMPRE UM HERTON GUSTAVO PUNGENTE , ÚNICO , CONTUNDENTE E...AMÁVEL ...PLENO ! . VOTO PARA ALONSO . HERTON GUSTAVO . POETA HG !!! .

Glaucia Victor disse...

HG ...ALONSO JÁ VOLTOU AMIGO PLENO !!! . VOCE E EU E TODOS NÓS SEMPRE SOUBEMOS...QUE ELE VOLTARIA E VOCE HG ...POETA FAMOSO SERIA !!! .

Mariane gonzalez disse...

Herton Gustavo !!! Arrasando sempre !!

Gervazio Quinteiro disse...

Alonso. Parabens Herton.

Glaucia Victor disse...

HERTON GUSTAVO , VOCE É PLENO COM ALONSO OU SEM O MOÇO !!! . "OLHA AHÍ...UM DIA EU TE DISSE QUE CHEGAVA LÁ...OLHA AHÍ ..."!!!

Gervazio Quinteiro disse...

Voto no Herton. Alonso é apenas o primeiro degrau de muitas conquistas.

Gervazio Quinteiro disse...

Herton-Alonso

Gervazio Quinteiro disse...

Herton

Gervazio Quinteiro disse...

É Herton. É Alonso.

Gervazio Quinteiro disse...

Herton e Alonso. Parece uma dobradinha de fórmula 1. por isso vencerão.

Caroline Ribeiro disse...

Herton Gomes com Alonso

Caroline Ribeiro disse...

Herton Gomes com Alonso

Caroline Ribeiro disse...

Herton Gomes com Alonso

Gervazio Quinteiro disse...

Herton. Você já é um vitorioso. Parabens.

Gervazio Quinteiro disse...

Herton e Alonso. Sucesso.

Anita Garibalde Ramos Carneiro disse...

Ricardo Thadeu

Gervazio Quinteiro disse...

É Alonso.

Gervazio Quinteiro disse...

Herton. Herton. Herton. Alonso. Alonso. Alonso.

Elizangela Nunes disse...

Ricardo Thadeu

Rayane disse...

"Alonso" - Herton Gustavo

promosom.vilhena disse...

HERTON nos de rondonia estamos com vc ,

Amanda Ramos disse...

Herton Gustavo - Alonso

Myrcéa Caroline disse...

Herton Gustavo - Alonso

Bruna Casagrande disse...

Herton Gustavo LINDO!!!!

Myrcéa Caroline disse...

Herton Gustavo Alonso

Myrcéa Caroline disse...

Herton Gustavo Alonso

Unknown disse...

Alonso - Herton Gustavo

Carolie Barbato disse...

Herton e seu Alonso!

Key Japão disse...

HERTON !
Mesmo do outro lado do mundo estou acompanhando tudo . Parabéns amigo, você super merece ! Bj .

Laura Martelli disse...

Herton Gustavo - Alonso... adorei, parabens!

Gustavo Batista disse...

Herton Gustavo (meu xará) HAHA. - "Alonso" um poema muito bom. Parabéns!

Ines Dall Agnol disse...

Herton Gustavo - Alonso... gostei muito, sou a mae da Laura e estamos torcendo por vc.

Mousinho disse...

Herlon Gustavo - Alonso
Bem interessante!

Jéssica Thalita disse...

Alonso-Herton Gustavo

Marcel Quinteiro disse...

valeu Herton. Alonso

Hemarin disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rebecca Leão disse...

Herton Gustavo!!!

Nathália V disse...

Herton Gustavo

Lenita lemes disse...

Herton Gustavo na cabeça!

Drucka Machado disse...

Herton Gustavo - Alonso

Marcy Kodrek disse...

Herton Gustavo

Inglith Kederlly disse...

Sim, com certeza "Alonso" volta. Parabéns Herton Gustavo Gomes, torcendo por você.

Dayane Lindaura disse...

Alonso - Herton Gustavo

Gabriel Borges disse...

Ambos são extremamente talentosos. Mas vejo em herton gustavo uma musicalidade aflorada. Ele traz em seus poemas uma leve transgressão gostosa de se ler. Enfim, meu voto é em Alonso!

Bernardo Dugin disse...

Herton Gustavo!!!

Felipe Neto Viana disse...

Boa tarde,

Afastei-me, por um tempo, por problemas de saúde e hoje quando retorno me deparo com a final. Uma boa final embora esperasse um ou outro poeta figurando pelo já lido.

Os dois poemas estão em bom nível qualitativo. Como diz o texto do intróito, os dois poetas se apresentam cada um em seu extremo. Noto que o poeta Ricardo não moveu uma palha em relação à sua estrutura poética, com exceção dos poemas infantil e o da final. Isso me assusta um pouco. No entanto, o poeta Herton não fugiu à regra, apesar de ser mais subversivo conteudisticamente.

Analisando friamente os poemas dessa leva final, dirijo meu voto a ''Percurso''. O autor não caiu na pegadinha da palavra 'buceta', saiu pela tangente. Tem buceta que arrasa o homem, quem dirá o homem que é poeta, acreditem. A declamação do poema 'Percurso' também é superior a 'Alonso'. O poeta Herton exagerou na dose e aboliu as pausas dramáticas entre um verso e outro, tornando tudo muito teatral. Ricardo soube respeitar os meandros reticentes de seu poema silencioso e gritante.

Que vença o melhor. Uma final digna.

Cordialmente,
F.N.V.

Geórgia Rios disse...

Ricardo Thadeu

Luis Silva disse...

Alonso é muito bom, mas Percurso é um poema cabralino. Voto neste.

Luis

jacuipecultural disse...

Ricardo Thadeu com Percurso

Ana Beatriz Manier disse...

Alonso. Alonso. Alonso.

OSVALCY disse...

Apaixonei pelo Alonso HERTON GUSTAVO!!!!

Adalberto Luis Guimarães Souza disse...

Ricardo Thadeu

JULIA VILELA disse...

Alonso!!!!na cabeça!!!

Cely Soarez disse...

Voto em ''Percurso''. Obrigada.

Thaynara Rocha Lima disse...

ALONSO

Vitor Carneiro disse...

Ricardo Thadeu

«Mais antigas ‹Antigas   1 – 200 de 215   Recentes› Mais recentes»