terça-feira, 7 de agosto de 2012

Poemas da (7º) Penúltima Etapa: Cinema

LUZ!

CÂMERA!

SEGURA O VESTIDO, MARILYN!



(Marylin Monroe em "O pecado mora ao lado", de Billy Wilder)

Fade in, fode out
        (Lohan Lage Pignone)

Para o (des)vestido de Marilyn
A lanterna mágica aponta
De lá partem os trens
Que invadem as salas escuras
Lumiére e suas travessuras.


Tempos modernos!
Pecado de amor alado
Sobrevoando o teto de zinco quente
Adentra as janelas (in)discretas
De toda gente penitente
Deus e o Diabo na terra:
Welcome to nouvelle era.


Do olhar de uma Bardot
Desprezada
Cheiro de novo
Noir
Na sala,
A mão intrusa
Do noivo neurótico
Em busca da
Rosa púrpura
Do Cairo
[vulgo o hímen de Cleópatra].
Café da manhã na Tiffany
Almoço com os Corleones
E adivinhe quem vem para o jantar?
O sogro, Al Capone.


A guerra é travada
Fogos cruzados
Pernas cruzadas
Instintos selvagens.
                                   
Da fonte da donzela
Só resta
o rastro
de sangue.
        

Arte suprema:
Rebentou-se a película
No escurinho do cinema.



(Brigitte Bardot em "Desprezo", de Godard)


Múltiplos como tudo, o cinema e a poesia se encontram para um passeio poético
]
(por Camillo Landoni)

Em algum momento de nossas vidas já rodamos filmes lendo um poema, ou desfolhamos versos poéticos diante de uma cena cinematográfica. Mas vamos falar a verdade: não existe poesia no singular. Aliás, não existe nada no singular, senão com o propósito de pluralizar-se. No gênesis o que era um se desdobrou em mais. Lá o Homem era um solitário. Multiplicou-se mulher, obra máxima de um artista divino que apesar de ser único está sempre no plural. Já nos versos da Odisséia, Ulisses era um ao mesmo tempo em que era todos de sua terra. A mesma ideia cabe ao cinema, múltiplo como tudo.  

Fora da poesia ou do cinema, eu e você existimos como indivíduo, corpo uno, organismo autônomo, um ser, o espaço que nada nem ninguém ocupará. Porém, não viveríamos sem a imperiosa tentativa de violar os espaços, de pôr abaixo as cercas, os limites impostos pela matéria. Um olhar, um sorriso, um abraço, um beijo, um namoro fervoroso são atitudes únicas que existem em função de respostas únicas. A unicidade é, portanto, uma bolinha de chocolate suíço, na qual uma lambida não resolve. Sem o outro, seríamos um Deus triste, quem sabe artistas só por necessidade de criar a fuga da singularidade orgânica.  
Agora imaginem o cinema sem poesia. Muitos pensarão Hollywood! Indústria poluidora do cinema artístico e reflexivo. Não, pois assim como tudo, Hollywood também é múltipla, mais do que uma indústria de filmes comercialmente medíocres, porque abraçou, reconheceu grandes diretores e produziu obras de vulto artístico. Em Chaplin quantas imagens poéticas. Poética lírica que nos enternece em O Garoto e Luzes da Ribalta. Poética engajada que nos faz pensar, em Tempos Modernos.  


(Charles Chaplin em "Tempos Modernos")
Falar sobre poesia no cinema não é só recordar que Pablo Neruda foi representado por Philippe Noiret no italiano O Carteiro e o Poeta, ou que Rimbaud e Paul Verlaine são personagens em O Eclipse de uma Paixão. É antes pensar no “ser poético”. O mesmo poético que são muitos, em muitos lugares. O poético do qual prescinde, volta e meia, a própria poesia contemporânea. O poético, enfim, é o elo que conjuga o lírico, o esteticamente belo e o esteticamente denso, ainda que feio, que bizarro, o dito régio, a confissão e as figuras tatuadas no espírito à toda atmosfera terrestre, à todo ambiente de vida e de arte. E confessar, aqui, não prescinde do outro, ainda que eu de costas não veja quem me ouve.   
Por isso, nem poesia, nem cinema são únicos: talvez por isso ambos possam se encontrar. A poesia superou a crise de seu companheiro, o poético; ela já não liga, aprendeu a ser (quando quer) apoética. O poético no cinema pode ser, em uma mostra anêmica, o fugidio amor que carboniza estabilidades, a fita de seda azul que plana às vistas de um olhar melancólico, ou o simples céu estrelado de toda poesia da infância. O céu enluarado em E.T., o céu azul nas últimas cenas de O Show de Truman, os delírios eróticos e o despir-se anímico de Almodóvar, as tensas descrições de Hitchcock ou a invasão em close-up de Bergman no território das tensões conjugais.


(Cena do filme "E.T - Extraterrestre", de Steven Spielberg)


Geralmente não se procura homens de sonhos em centros de tratamento intensivo, assim como não sonhamos ou planejamos a felicidade quando nos dói um dente. Para quem sente a ferida, não existe nada de poético a não ser a ideia da cura, do alívio. Na poesia ou no cinema, na dor de uma perda ou em um sorriso da feliz personagem, buscamos entre outros tesouros poéticos a cura, o alívio da vida submergindo numa outra vida. O outro está ali, tão ali diante de nós, e nós tão longe que nos reconhecemos parte daquele mundo, ainda que seja outro. De qualquer forma a poesia, sobretudo na forma do “ser poético”, está no cinema, sendo multiplicada para os olhares de quem ama, de quem sofre, de quem se supera, de quem se torna mais humano. Evidentemente as máscaras nos multiplicam quando necessário, contudo o problema maior está em usá-las para sermos únicos. Deixemos as últimas para os atores e para os poetas.                                            


ATENÇÃO, PÚBLICO:
ANTES DAS ESTREIAS DA SEMANA, VAMOS EXIBIR OS TRAILLERS:

BÔNUS DO LEITOR

Você, leitor, poderá votar em seu poeta/poema preferido! Basta se dirigir aos comentários e, logado em sua CONTA DO GOOGLE, postar um comentário direcionando seu voto para o poeta/poema da etapa em questão. A votação irá até as 18 horas de quinta-feira. O poeta mais votado receberá 1 ponto de bônus.

BÔNUS DO JÚRI

Nesta rodada, os poemas que mais se destacarem na opinião de todos os jurados convidados receberão 0,5 pts de bônus.


PONTO-PRESENTE

Nesta etapa teremos novamente o Ponto-Presente, ou seja, cada poeta terá que conceder 1 ponto a outro poeta (aquele o qual ele julgar ter sido o melhor da etapa) e, claro, justificar sua escolha. Poetas, enviem seu Ponto-Presente e justificativa até quarta-feira, às 23:59min.


PRÊMIO DA RODADA

O poeta que garantir a primeira colocação no Ranking da Rodada levará de presente a antologia

"POESIA.COM - POEMAS DA 1º EDIÇÃO DO CONCURSO DE POESIA AUTORES S/A", Ed. Multifoco/2011.



(Capa da antologia "Poesia.com - 1º Edição")

Nesta etapa, perguntamos aos 12 poetas finalistas qual é o filme mais marcante da vida deles.

Antes da apresentação de cada poema, você lerá as respostas!

E qual é filme mais marcante da sua vida, leitor?


CHEGOU A HORA DAS SESSÕES MAIS ESPERADAS.

CAROS POETAS E LEITORES: APRECIEM, A SEGUIR, AS 12 OBRAS DE ARTE CINEMATOGRÁFICAS MAIS POÉTICAS QUE JÁ EXISTIU.


POEMAS DA PENÚLTIMA ETAPA: CINEMA


Atenção: todos os poemas estão dispostos nos vídeos a seguir. Ou seja, para lerem os poemas, você, leitor, necessitará assistir aos vídeos. Tenha certeza de que será uma experiência singular desfrutar os poemas em vídeo, acompanhados por trilhas inesquecíveis da história da Sétima Arte. Cada vídeo-poema a seguir é, sem dúvida, digno de um Oscar. A pipoca está pronta?
                                                           Bom cinema!

PS: Caso o vídeo acuse não estar disponível dentro do blog, clique em Youtube (no próprio vídeo) e assista pelo canal Youtube. A qualidade de áudio e leitura serão melhores por lá também.
De Juiz de Fora, Minas Gerais: Hernany Tafuri (Nonada F.C.)

O filme que mais marcou minha vida é "Um sonho de liberdade", pois é uma história de injustiça e superação fantástica, com atuações memoráveis.




De Betim, Minas Gerais: Francisco Ferreira (João Saramica)

"O menino do Pijama Listrado" - é o filme que mais me marcou. Não apenas pela amizade inocente e gratuita de duas crianças que desconhece o horror da guerra, mas pela impotência ante a fatalidade (a impotência do poder). O homem que detinha o poder de enviar para a morte milhares de pessoas, não foi capaz de salvar a vida de seu filho e sente na pele a dor das milhões de vítimas da ação demoníaca de Hitler e seus calhordas. 



De Cabo Frio, Rio de Janeiro: Flavio Machado (Dersu Uzala)

O filme mais marcante foi “Cinema Paradiso”. Vi na tela duas representações, a relação afetiva do menino com o velho projetista (está correto o nome?) e a mágica do cinema, com a última cena das cenas cortadas dos beijos, na minha opinião, uma das ou a mais bela cena de cinema, e confesso que chorei bastante no final do filme.




Do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Marco Antônio Tozzato (Per-Verso)

Foram tantos os filmes que me impressionaram, mas como, para mim, cinema é essencialmente imagem: imagens em movimento contando uma história. Eu diria que o filme mais impressionante para mim foi “Sonhos” de Akira Kurosawa. O filme é literalmente um sonho. As cores, a fotografia, o figurino, o cenário tudo foi usado para deslumbrar, inquietar, impactar. Até hoje o episódio “Inferno” me amedronta, com seu aterrorizante cenário boschiano; ou ainda o capítulo “Os Corvos.” O personagem conversa com Van Gogh, num cenário que é um quadro do próprio pintor.


De Nova Friburgo, Rio de Janeiro: Barolo
Um dos filmes mais marcantes que assisti foi "SHAME", do diretor britânico Steve McQueen. Fala de um homem bonito, bem sucedido financeiramente e solitário que, sem estrutura para superar seus problemas emocionais, sem conseguir amar e demonstrar carinho, torna-se viciado em sexo. É a presença da irmã, de comportamento similar ao dele, e sua tentativa de suicídio, que o fazem perceber no que se tornou e se permitir sofrer.




Do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Thiago Luz (Jean Jacques)

O filme mais marcante é "Coração Valente". Vejo o filme como um poema épico contra a tirania e em favor da liberdade de um povo.






Do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Letícia Simões (Alice Lobo)

É difícil para uma cineasta (acredito que impossível!) escolher um único filme para ser o mais marcante. O mundo do cinema é absolutamente tentador por abarcar quatrocentos e oitenta e sete milhares de outros mundos - e por duas horas, você poder ser o que quiser, ter quantas vidas quiser, falar quantas línguas puder. Talvez, pensando por essa ótica, o "filme mais marcante da minha vida" (reitero: não quero ser injusta com as outras tantas amadas películas) seja "E o vento levou...". Minha mãe tinha o livro na estante e em umas férias, me deu na telha lê-lo. (Eu era muito mais interessada em livros que em cinema ou televisão). A história me fascinou absolutamente e dona Heliana (vulgo minha mãe) me avisou que havia um filme do livro. Ali eu me rendi, completamente. Ali eu entendi que queria, muito mais do que viver naquele mundo, criar aquele mundo. Criar a fantasia. Eu, uma criança de seis ou sete anos, fiquei tão fascinada com a ideia de que era possível materializar outra época, outro espaço, outras pessoas e efetivamente viver, por um determinado tempo, aquilo, que imediatamente decidi: quando crescer vou ser diretora de cinema.





De Vinhedo, São Paulo: Ana Lúcia Pires (Anna Lisboa)

Nossa, pergunta difícil! Sou apaixonada por cinema: europeu, asiático e amo algumas poucas obras norte-americanas. Dentro dessas nacionalidades cinematográficas, teria pelo menos uns 5 filmes para citar, mas precisarei ficar com um. Pois bem, “A Insustentável Leveza do Ser” é a mais bela poesia que já assisti. Com esse filme aprendi tanto sobre o amor que sequer conseguiria escrever. Praga, 1968, triângulos, círculos e quadrados amorosos, tanques soviéticos invadindo a capital tcheca. É um exercício explícito de amor e desapego estonteante, sensual e dilacerante.




De São Paulo, São Paulo: Henrique César Cabral (Gaspar)

É mais que difícil, para mim, falar em filme predileto, marcante, é quase impossível. Confesso que esse foi o tema em que encontrei mais dificuldade. O problema todo começa com o fato de eu ser um insone crônico há muito tempo. Coisa de outro século, imagine só. E se existe um lugar onde o sono é quase infalível é ali, na sala de cinema. Em outros tempos, cheguei a perder a companhia e acordar sozinho, depois de sessões mais sessões. Tentaram me acordar, mas, de olhos fechados, insistia em esperar a próxima. Tenho que escolher entre o sono e inchar quilos de colesterol, gorduras trans, totais, etc. É que só fico acordado enquanto estou comendo. Acabando pipoca, chocolate e demais adendos... Boa noite, Hollywood! Como só durmo em + ou – em 90% dos filmes, dos restantes, Woody Allen, aguento bem, aprecio até. Se é para escolher um, fico com “Annie Hall” – A Diane Keaton foi a mais que provável razão da minha insônia esse dia.


 
De Atibaia, São Paulo: Geovani Doratiotto (G.D)
O filme mais marcante é “O encouraçado Potemkim”. O cinema começa aqui.





De Brasília, Distrito Federal: Lune

Difícil... Gosto de tantos. Mas vamos lá: são dois. “A escolha de Sofia” e “Como Água para chocolate”. O primeiro, porque fala das escolhas impossíveis, que nunca deveriam acontecer ou ser exigidas de um ser humano. O segundo porque reflete todas as emoções, privações, desejos e superações do ser humano, e ainda é apresentado por meio da linguagem inebriante do (bom) realismo fantástico. Para completar, tem um final de arrebentar.




De Trairi, Ceará: Wender Montenegro (Manoel Helder)

“Sociedade dos Poetas Mortos”, dirigido por Peter Weir, é o filme de que tenho melhores lembranças; o que mais me marcou positivamente. Vi o filme durante o curso de Pedagogia e como estava de namoro, à época, pelos cantos com a Poesia, deu-se então o encanto. É um filme inspirador que nos impulsiona a perseguir nossas paixões individuais e a tornar as nossas vidas extraordinárias, não permitindo que ninguém segure as rédeas de nossa existência, condicionando a nossa maneira de pensar. A reflexão central do filme pode ser sintetizada na expressão latina Carpe diem (aproveite o dia), cujo sentido é: aproveite a vida, ela é muito breve.








(Cena do filme "Cinema Paradiso", de Giuseppe Tornatore)

E então, poetas e leitores? Como descrevem a sensação após a leitura desses vídeo-poemas? Certamente, este é um post para entrar na história do blog Autores S/A. Parabéns aos 12 poetas finalistas, agora, rumo à etapa final!


NOVIDADE:

Caríssimos poetas: a Editora Multifoco confirmou mais uma parceria conosco na publicação da antologia da 2º edição do Concurso de Poesia Autores S/A. Ou seja: sim, poetas, vocês serão publicados! Que esta antologia vindoura seja uma fiel e singela lembrança de todos os grandiosos momentos vividos neste certame. Após o fim do certame, serão selecionados os melhores poemas do concurso (somente poemas dos 12 finalistas - em todas as etapas). De qualquer forma, vale ressaltar que todos os 12 terão pelo menos 1 poema garantido na antologia. Avante, poetas!



(Audrey Hepburn, no clássico "Bonequinha de Luxo", de Blake Edwards)



ANÚNCIO DOS DESAFIOS DA ÚLTIM A ETAPA



CAROS POETAS:

           

            Para a 8º e última etapa do II Concurso de Poesia Autores S/A vocês terão que cumprir dois desafios importantes nesta semana. Lembrem-se: agora, é tudo ou nada.



1º DESAFIO



- ELABORAR UM POEMA INSPIRADO NO CONTO:



“A DAMA DO LOTAÇÃO”, DE NELSON RODRIGUES.



(OBSERVAÇÃO: INSPIRADO SOMENTE NESTE TRABALHO DE NELSON). ATRAVÉS DO LINK ABAIXO, O CONTO PODE SER LIDO NA ÍNTEGRA: http://www.releituras.com/nelsonr_dama.asp



2º DESAFIO



- ELABORAR UM POEMA COM A SEGUINTE TEMÁTICA:



“DESPEDIDA”



- AMBOS OS POEMAS ESTÃO LIVRES DE RESTRIÇÕES MÉTRICAS;



- AMBOS OS POEMAS DEVEM SER INÉDITOS E CONTER UM TÍTULO;



- AMBOS OS POEMAS PODERÃO SER ENVIADOS ATÉ A PRÓXIMA SEGUNDA-FEIRA, DIA 13/08, AO MEIO-DIA.



O RESULTADO FINAL SERÁ PUBLICADO NO DIA 17/08/12, SEXTA-FEIRA.



(Cena do filme "Titanic", de James Cameron)



BOA SORTE A TODOS OS 12 POETAS!



RUMO À FINAL!


 AUTORES S/A




51 comentários:

Angelica Cabral disse...

Amei a idéia dos vídeos!!! Ficou demais, deu uma vida especial aos poemas... parabéns aos criadores do blog. Me senti no cinema...
Meu voto vai pra Anna Lisboa... entrou 100% no tema, inovando como sempre... Perfeita poesia!!

Marco Antonio Tozzato disse...

Gostei muito da maneira como Ana Lobo colocou as referências cinematográficas no seu poema, lê-lo foi como assistir um pequeno filme.

Marco Antonio Tozzato disse...

Meu voto, vai para Ana Lobo. Quase esqueço de dizer.

Renato Porto Leal disse...

Que belas montagens, mas a preferida continua a mesma. Anna Lisboa

Lara Amaral disse...

Voto em Wender Montenegro.

Carol Vaz disse...

Parabéns a todos os finalistas por essa leva de maravilhosos poemas! Meu respeito e admiração nessa rodada cresce especialmente para com João Saramica, Thiago Luz, Lune e Manoel Helder. Todos se apresentaram super bem. Mas não posso deixar de louvar à aposta - prudente e pertinente - de Anna Lisboa.

"como a promessa que dá asa ao pagador/e o roteiro que dá céu ao passarinho"

Que obra, mulher! haha Fiquei extasiada ao ler cada palavra sua. Com isso, nada mais justo que votar em A Dama e o Vaga-Lume. Anota aí, Lohan: Anna Lisboa na cabeça!

Felipe Neto Viana disse...

Bom dia,

Extasiado eu fiquei com essa leva. Aos organizadores: congratulações sinceras. Como é bom se surpreender em espaços virtuais aonde já se diz tudo a todo instante.

Não vou me ater aos atributos dos vídeos mas somente aos poemas. Já de bate-pronto os melhores da leva: Dersu Uzala e Anna Lisboa. Os piores: Barolo e Nonada F.C. E o meu voto da leva vai para o poeta Dersu Uzala. Sempre critiquei muito esse poeta em meus pareceres mas nessa leva ele se superou (tardiamente) com tamanha delicadeza na abordagem do maior diretor de todos os tempos (na minha gabaritada opinião): Akira Kurosawa. O tom onírico foi condizente e as imagens divagaram como deviam. O meu voto demonstra que não pego no pé de nenhum poeta, nada é pessoal. É questão de técnica, de fazer bem feito.

Apreciei com prazer também os poemas de Anna Lisboa e Alice Lobo. Anna sempre a seu modus, sem perder o rebolado como já diria o outro. Os intertextos bem encaixados. Alice Lobo também esbanjou delicadeza mas não consegui enxergar tanta relação com Buñuel em sua carta. Talvez seja incapacidade minha, quiçá.

Lune se recuperou da lastimável última leva mas ainda assim não tem cara de campeã. Precisa vir irretocável na última leva para levar o 'caneco'. Seus poemas tem dito demais, demais. Acolha uma faceta mais sintética, poeta Lune.

O G.D foi razoável igualmente. A trilha foi a melhor, certamente. Se ele é o poderoso chefão do certame? Quem vai saber. Inteligente ele é, e corajoso também. É favorito ao título ao lado da Anna Lisboa mas nessa leva eu enxerguei versos descabidos e um final confuso mencionando 'tela quente' 'televisão' quando estamos falando de cinema e não da Rede Globo e qualquer outra emissora. Cinema é cinema! O arremate teria ficado perfeito (para variar) não fosse esse 'vacilo poético'.

Jean Jacques e Saramica: o Jean Jacques bebeu em Saramica e o Saramica bebeu em Jean Jacques. Percebi uma inversão de papeis poéticos: um mais prosa, outro mais poético. Medianos, ambos.

Gaspar foi correto e seguro, mais uma vez. É certamente o poeta mais seguro da competição. Sabe mesmo o que faz e como faz. No entanto, percebi um excesso de metáforas que sim - metáfora também deve ser posta com moderação. Pode ser de novo o vencedor da leva mas hoje não deposito meu voto nele.

Nonada F.C. não esteve em cena. Participou da leva, apenas. E Barolo foi o poeta que mais caiu de produção desde quando comecei a acompanhar o certame. Como tirar um retrato de um retrato? Poesia é descrever um retrato com figuras de linguagem. Descrever uma notícia de jornal a la Manuel Bandeira. Lapide mais a poeticidade em seus trabalhos, poeta Barolo.

Por último o poeta que está em primeiro. Receber um tema, que é uma arte, tão vasto e mágico e fazer dele uma homenagem póstuma. Sinceramente é uma lástima. O poema não é de todo mal escrito mas o direcionamento escolhido pelo poeta foi um tiro no pé. Se vai perder a ponta eu não sei mas merecia.

Então essa é a penúltima leva e me passa alguma profecia. Se o que eu analiso for condizente com o olhar dos jurados da leva os seis poetas da ponta do ranking vão se embolar de uma tal forma que na última leva tudo será possível. Continuo apostando na Anna Lisboa e no G.D mas o Gaspar entra forte na briga e tudo indica que vai deixar a Lune para trás. O atual primeiro colocado pode permanecer na ponta mas em seu cangote cinco poetas estarão colados. Gosto dessa competição.

Já falei muito.
Até a final, afinal.

Cordialmente,
F.N.V

† Sel disse...

A ideia do vídeo foi muito boa mesmo.

Gostei muito do poema do Dersu Uzala. Simples, mas cheio de intensidade.

E do poema da Lune. Ao contrário da opinião do Felipe, não achei extenso. Para mim, está perfeito. Tem uma levada muito agradável. E como o do Dersu Uzala, é mt bonito intenso.

Parabéns aos dois e aos organizadores pela ideia

† Sel disse...

Corrigindo: "Ao contrário da opinião do Felipe, não achei extenso"

Não achei esse poema da Lune "com ditos demais"

† Sel disse...

Ai ai ai.. terei q mandar td d novo..

A ideia do vídeo foi muito boa mesmo.

Gostei muito do poema do Dersu Uzala. Simples, mas cheio de intensidade.

E do poema da Lune. Ao contrário da opinião do Felipe, não achei extenso. Para mim, está perfeito. Tem uma levada muito agradável. E como o do Dersu Uzala, é mt bonito intenso.

Parabéns aos dois e aos organizadores pela ideia

8 de agosto de 2012 12:09
† Sel disse...
Corrigindo: "Ao contrário da opinião do Felipe, não achei extenso"

Não achei esse poema da Lune "com ditos demais"

Ana Beatriz Manier disse...

Meu eu lírico anda de férias, mas consegue ver a beleza do poema de Flavio Machado, Dersu Uzala. Parabens, Flávio.

Dante O velho disse...

Meu voto vai para o Francisco Ferreira.

† Sel disse...

Fazendo isso aqui em doses homeopáticas...

Voto no Dersu Uzala

Vívian disse...

Olá, meu voto vai para Wender Montenegro, com o poema Silêncio de claquete: parte Saraceni porque embora eu tenha sido lograda ao esperar um poema com títulos de filmes e personagens tantos, ele vem como sempre me surpreender e mostra o Ceará com seus tantos "meninos" que nunca estiveram numa câmara escura para ver a festa da sétima arte. Wender não passeia por títulos nem tampouco pelo cinema, escolhe sim, ir ao cinema, colher a última cena de saraceni no silêncio da claquete. Adorei. Ao blog, parabéns pelos vídeos e pelo concurso. Qualidade e muita dedicação a cada rodada.

Celly Monteiro disse...

Meu voto vai para o o poema do poeta Wender Montenegro (Manoel Helder)pela sua excelência na escrita.

Elano Pires disse...

meu voto vai para o poema "Silêncio de claquete: parte Saraceni", de Wender Montenegro, boa sorte, Poeta !!!

Carol Oliveira disse...

Meu voto vai para o manoel helde

valber disse...

meu voto é do poeta Wender Montenegro manoel helder, seu poema ficou belo e dentro do tema.

valber disse...

meu voto vai para o poeta manoel helder, Wender Motinegro,seu poema ficou belo e dentro do tema.

Jacillane disse...

Voto em Manoel Helder.

Gostei muito do modo como o poeta abordou o tema sem se deter em citar filmes e cenas, mas homenageando o diretor responsável pelo fogo ideológico que depois tomou conta de seu amigo Gláber Rocha! E o poeta fez isso muito bem ao abordar o tema sob o ângulo da inocência do sonho de cinema, usando a memória (na citação de Wally) como recurso lírico.

Gostei muito das aliterações:
"...cena-sonho a Saraceni
[assim, se se perdesse ausente
em ilha de edição" e "assim, se SaracenIncendiasse Rocha
na luz sempre nova de seu olhar novo"

Gostei também do inusitado da metáfora (morte = ilha de edição):
"- a morte e sua claquete -"

Parabéns, Manoel! Meu voto é seu!

Renata Sá disse...

Uau, sou Anna Lisboa na cabeça! Voto nela!
Só dá essa mulher! -:-

Bjoka,
Rê.

tais amorim disse...

Meu voto vai para o Manoel Helde / Wender Montenegro pelo belo poema... Parabéns

PROFESSORA GEIZA AGUIAR disse...

votar para Manoel Helder, Wender Montenegro, com o poema "Silêncio de claquete: parte Saraceni"

Belinha Montenegro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Julinho Silva disse...

meu voto vai para Manoel Helder pq sua homenagem ao diretor Saraceni, falecido este ano, e ao cinema novo foi muito interessante

Belinha Montenegro disse...

meu voto vai para Manoel Helder gostei da homenagem ao diretor Saraceni

pedro paulo disse...

Voto em Anna Lisboa, a melhor poeta dessa competição.

Até a próxima.

César Portillo disse...

Vídeos fantásticos. Como gostei do Jean Jacques aquela trilha é a minha predileta. Mas hoje fico com Anna Lisboa de novo ''A Dama e o Vaga-Lume'' porque essa aí ninguém segura.

César.

Martha Vidal disse...

Vou com meu marido, concordo!! Voto em Anna Lisboa. Parabéns pra todos esses poetas mais q talentosos!

Martha.

Paula Maranhão disse...

Adorei tudo e todos mas o vídeo da Anna Lisboa tocou a trilha da minha vida com Gardel aiii... Não tem como não votar em Anna Lisboa.

Sucesso pra vcs!!

Mauro Toledo disse...

Meu voto vai para Anna Lisboa não tem outra poeta que se expreesse melhor nesse concurso com tanta diversidade poética, tanta brincadeira. Ela se diverte. Mas desejo sorte a todos os outros poetas. Abs, Mauro.

Carlos Sobreira disse...

Anna Lisboa: meu voto.
Por que: é a surpresa entre esses poetas que preferem manter os cliches ao invés de inovarem. O único que também demonstra esse arrojo é o poeta G.D. O resto...

Parabéns Anna pelo poema e pelo vídeo.

Beca disse...

Nossa, quase perdi o a hora e o dia! Voto em Anna Lisboa, com prazer e palmas.

Bárbara Siebra disse...

Voto em Manoel Helder/Wender Montenegro!

Alice Bittencourt disse...

Meu voto vai para Wender Montenegro.

Luiz Claudio Sanchez disse...

Olha a hora, olha a hora freguesia. Se minha sobrinha não avisa, o trem passava. Em Anna Lisboa, maravilhado.

Paulo Sérgio Saboia disse...

o meu voto vai para manoel helde.

Anônimo disse...

Voto em Wender Montenegro

Bené disse...

Voto em Anna Lisboa pra esquentar essa disputa. Mas gostei muito do poema do Nonada F.C.

Tatiana S.L disse...

Poemas de muita qualidade, sobretudo os vídeos. Gosto apurado da organização e dos poetas. Cinema em casa!

Voto em Anna Lisboa, sempre.
Tatiana S.L.

Wender Montenegro disse...

Muito grato a todos que votaram! Parabéns aos poetas todos pelos ótimos poemas da leva, e aqui mais um voto ao Saraceni! Manoel Helder :)

abraços
Wender

Lenir Souza disse...

Meu voto vai para a poeta Ana Lúcia Pires com ''A Dama e o Vaga-lume'', a melhor poeta desse certame.

Dá-lhe Ana!
Lenir.

Lenir Souza disse...

Meu voto vai para a poeta Ana Lúcia Pires com ''A Dama e o Vaga-lume'', a melhor poeta desse certame.

Dá-lhe Ana!
Lenir.

Lenir Souza disse...

Meu voto vai para a poeta Ana Lúcia Pires com ''A Dama e o Vaga-lume'', a melhor poeta desse certame.

Dá-lhe Ana!
Lenir.

Antonio Carlos disse...

Voto em Anna Lisboa.

Anônimo disse...

meu voto vai para o manoel helde, manoel helde é pseudônimo dele.

Lohan Lage Pignone disse...

VAMOS AO RESULTADO OFICIAL DA VOTAÇÃO:

1º ANNA LISBOA - 16 VOTOS.
2º MANOEL HELDER - 15 VOTOS.
3º DERSU UZALA - 2 VOTOS.
4º JOÃO SARAMICA - 1 VOTO.

PARABÉNS A POETA ANNA LISBOA PELA EXCEPCIONAL VIRADA E PELO PONTO CONQUISTADO.

AGUARDEM OS RESULTADOS DO JÚRI, JÁ JÁ!

ABRAÇOS,
LOHAN.

Anna Lisboa disse...

rs Nossa Lohan, a gente escreveu ao mesmo tempo... nao tinha contado e sinceramente achei que o Wender ganharia. Bem, entao... obrigadaaa de novo, minha gente!! Valeuuuuu!!!!
Obrigada Lohan!! Wender, parabens por tantos votos.

Um beijaoo em todos!!!!

Anna Lisboa disse...

Na verdade, a gente escreveu TAO ao mesmo tempo que o comentario que escrevi antes nem foi postado rs. Eu estava agradecendo os votos, agradecendo de novo essa boa vontade de cada um, agradecendo cada comentario. Tb dizia que dessa vez nao conseguiria o ponto bonus, mas que ficava feliz mesmo assim.... por tanto carinho e atencao. Nao tinha contado os votos! Acham que sou atrapalhada? Magina, gente rs. Me desculpem todos!

obrigaaada

Carol Vaz disse...

Parabéns pelo ponto ganho, Anna!

Buldogue disse...

Quando a postagem para inspirar a produção poética de um concurso está melhor que todos os poemas juntos, há alguma coisa errada com o concurso. Poesias fracas, referências fracas também. O menino do pijama listrado? Faça-me um favor...