terça-feira, 29 de junho de 2010

O escritor

"Para cada central nuclear é preciso uma porção de poetas e artistas, do caso contrário estamos fudidos antes mesmo da bomba explodir."
(Rubem Fonseca)


- E aí, cumpadi, porque que tu tá aqui?
- Homicídio.
- Todo mundo aqui é assassino. Todo mundo aqui matou algum filho-da-puta, assaltou alguma birosca de merda ou passou fogo em algum ricaço metido. Eu quero saber porque que tu despachou a alma do cara pro inferno, isso que eu to perguntando.
- Sou assassino, não senhor.
- Ah, nénão? Então que que tu é, ô playboy?
- Sou playboy também não. Sou escritor.
- É mermo? Então me explica aí, Machado de Assis, cumé que tu comete um homicídio se tu não é assassino, porque essa eu num entendi não.
- Na verdade eu nasci escritor, mas tive que trabalhar, como qualquer um, pra sustentar a família.
- Quantos livros tu já publicou?
- Um só.
- Porra! Então tu é um escritor de merda?
- Não. Eu sou dos bons. Meu livro vende pra caralho. Você ainda vai ouvir falar de mim, vai pedir até autógrafo.
- Não, porque isso é coisa de viado. Autógrafo eu só peço pro Rei Roberto. Mas, conta aí, como é que se deu a merda?
- Eu trabalhava numa gráfica que era também uma editora. Meu patrão era um filho-da-puta, desses que descontam do salário da gente se um panfleto sair errado. A editora não era lá grande coisa, mas poderia ser um pontapé inicial pro meu sonho de publicar um livro.
- Já sei. Teu patrão roubou o livro de você, publicou e você ficou na merda. Aí você passou um estilete na garganta dele...
- Não. Eu conversei com ele sobre o livro e ele disse que ia publicar, contanto que eu mudasse completamente a história.
- Por que?
- Ele achava que minha idéia não vendia. Eu queria publicar uma tragédia, algo inspirado em Sófocles, mas com um aspecto moderno, que ao mesmo tempo fosse um brado de revolta contra a iniquidade do terceiro mundo, algo que refletisse os pequenos enigmas da vida e ao mesmo tempo redimisse a alma humana, tão passível de erros, sabe?
- Sei que porra é essa não, mas vai falando...
- Então... Aí ele pediu pra eu escrever sobre crime, sexo, traição, putaria, essas coisas. Disse que o povo gosta mesmo é de safadeza.
- E o que que tu respondeu?
- Que ia pensar. Mas eu não curto saturação erótica barata, sabe? O erro é a pressuposição de que a sordidez seja necessária ao entretenimento. Apelação não é comigo. Tem que ter literatura, arte. O escritor tem que ser um artesão, esculpir a história. E além do mais eu não sabia nem como começar a escrever outro livro, me faltava inspiração. Mas aí as contas lá em casa foram se apertando, a coisa foi ficando feia e não deu mais pra esperar...
- Aí tu decidiu deixar essa parada de livro pra depois, assaltou um banco e na tentativa de fuga matou um policial, por isso que tu tá aqui?
- Cara, você é criativo, poderia até ser escritor.
- Sei nem assinar meu nome, Machadão, sou é bandido mermo.
- Pois então, eu estava tão puto porque meu patrão podia me ajudar e ficou fazendo cu doce, que pra me vingar eu decidi virar amante da mulher dele, uma vagabunda interesseira, vinte anos mais nova que ele.
Ele descobriu, seguiu a gente até o motel, mas se deu mal. Eu, que não sou besta nem nada, coloquei o revolver na testa dele antes mesmo que ele pudesse pensar no que fazer. Fiz ele assinar um documento que havia preparado, no qual ele dizia que a editora publicaria qualquer livro meu. Com o silenciador encaixado no cano da arma foi só atirar. Mas eu não sou assassino, sou escritor. Então antes de atirar, agradeci muito pela oportunidade de publicar meu livro e mais ainda, pela inspiração que me deu.
- E aí, publicaram teu livro?
- Teve até briga entre as editoras mais fodas. Tá em todas as livrarias, vende que nem água.
- E a mulher dele?
- A piranha deu com a língua nos dentes, mas foda-se, eu tô rico.
- Você vai se vingar dela?
- Isso é assunto para o segundo livro...

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Sua vida em mim...

O que contam seus traços, seus gestos, seus medos?
Que revelam segredos e histórias, enfim?
Que dizem seus olhos quando se olham profundo em mim?

Contam fatos que agora posso sentir...
Fazem-me presença na ausência que eu não escolhi...
Dão espaços para a imensa ternura que eu sinto (e que eu sempre senti)...

Às vezes os tempos roubados nos são devolvidos...
E o amor, em silêncio, vai aos poucos florescendo...
Só para ver a sua vida (linda, linda) renascendo...

domingo, 27 de junho de 2010

Ame ou deixe

Não adianta me oferecer um minuto da sua atenção.
Eu desejo horas de conversa fútil,
Um dia dedicado à minha pessoa.

Não adianta me oferecer sua mão.
Eu quero o braço todo, com dedos, unhas e apertos.

Não adianta me oferecer um abracinho
Eu quero ser sufocada por um abraço interminavelmente longo.
Não adianta discutir. Eu quero.

Não adianta nada me oferecer só um pedacinho,
Eu não vou aceitar.
Quero muitos kilos, todas as medidas que puder usar pra pesar meu desejo.

Não adianta tentar usar paliativos comigo.
Eu não me convenço.
Eu conheço o muito.
Eu quero tudo.

Não adianta me oferecer um beijo
Eu quero plural e falta de ar.
Mordidas e suspiros.
Economia não me alimenta.

Nem tente me oferecer só um pouquinho de você.
Cale a sua boca,
Pense muito bem no que me dizer
E se entregue completamente.
É pegar ou largar.

Não adianta tentar me suprir com meias-verdades
Ou hipocrisia
Porque eu sinto o cheiro desse tipo de atitude de longe.
Seja verdadeiro
E se prepare porque eu também vou ser.
Aqui se faz aqui se paga.
E o preço é bem caro, aviso logo.

Não adianta me enganar com eufemismos
Eu gosto mesmo é da hipérbole.

Não pense em me maltratar devagarzinho...
Manter joguinhos ridículos
Porque eu não nasci pra esses melindres.
Jogue na minha cara que meu jeito te irrita,
Ou que a maneira como eu te olho é uma afronta.
Assuma, covarde.

Não adianta me chantagear com motivos pequenos.
Eu quero mesmo é ver o circo pegando fogo.

Não tente me mudar com argumentos simples.
Quero uma discussão válida
E quem sabe uma briga bem fundamentada.
Escolha seu lado e verbalize.

Não adianta me querer bem pouquinho.
Não aceito a mediocridade do diminutivo.
É assim mesmo.

Não adianta me levar no banho-maria
Eu só vivo nos extremos.
O crime compensa.

Não adianta questionar.
Eu já fiz isso
E não vou mudar.
Aceite e aproveite.

RepresentAÇÃO

Olá, Autores S/A!

Cá estou eu postando pela segunda vez. Um pouquinho tarde, eu sei. Com a correria, o tempo ficou apertado. Mas eu não me esqueci de vocês não, viu?

Na semana passada me apresentei e hoje vou dar introdução do valor da representação; afinal, a fotografia é uma forma de transformar o real para o sensorial.

Para entender melhor, é necessário conhecer a Semiótica.

Semiótica é a ciência que estuda a comunicação humana: a linguagem visual, sonora e percepções em geral. Tem como objetivo examinar os modos de constituição de todo e qualquer fenômeno como fenômeno de produção de significado e do sentido. Ou seja, os signos. Não, não estou falando de Virgem, Aquário, Leão, Escorpião... Estou falando de sistemas, códigos; algo que é representativo para alguém.

Os signos, por Charles Sanders Peirce, estão divido em três partes:

1- Ícone: A relação do signo consigo mesmo. Apresenta e não representa. Cria um objetivo possível, possibilitando um efeito de impressão, seria então a nossa SUGESTÃO e COMPARAÇÃO.

2- Índice: A relação do signo com seu objetivo dinâmico. Indica uma outra coisa com a qual ele está ligado. É uma conexão, o nosso REAL e SINGULAR.

3- Símbolo: A relação do signo com seu interpretante. É uma LEI em interação com seu objeto. Algo GERAL.

Recomendo aqui o livro “O que é semiótica?” da Lúcia Santaella:
http://www.scribd.com/doc/7153850/O-Que-e-Semiotica-Lucia-Santaella

Com base, seria a qualidade, relação e representação.

Qual é o valor de um sorriso? O que ele interfere na sua vida? O que ele significa?




                                          (''Ombro a ombro'', by Luís Lobo Henriques)

Pense! Clichê ou não... Você deveria pensar e repensar...

Semana que vem tem continuação.

Obrigada. Seja sempre bem vindo ao meu mundo mágico.

Beijos estralados.



sábado, 26 de junho de 2010

Casa? Caso?

Caso de casar
Caso de casa
Casô de casá
Cabô de casá
Cabô casa
Casô cabô
Cabô caso
Cabô o poema

Me pergunte-me e eu te respondo-te

Quem já ouviu falar ou leu algo sobre um tal de Formspring.me pressione qualquer tecla do seu teclado. Mas... Existe essa tal “qualquer tecla”? Eu não estou achando...


Essa gozação nada mais é do que uma das miríades que circulam pela web através dessa ferramenta chamada Formspring.me. Caso você não saiba, se trata de mais uma dessas redes sociais, cujo seus participantes não se cansam de proliferar idiotices e amenizar a tensão de suas libidos. Se você for um usuário, tens o direito de fazer uma pergunta para outro usuário que, por sua vez, optará por divulgá-la e respondê-la, ou não. Perguntas anônimas também são permitidas, e comumente as encontramos nos formsprings da vida. Ou da morte, depende do point of view.

Alguns formsprings têm sido criados por empresas de renome para promoverem maior interação com o público consumidor, como por exemplo, a Fiat. A montadora aderiu a essa rede social e recebeu mais de 4000 perguntas sobre o novo Uno.

Já grande parte da população ociosa e formspringadora, utiliza a ferramenta para perguntar e responder bobagens, coisas do tipo, “Por que os homens não menstruam?” Resposta: “Porque eles ejaculam” (...) Alguns dão um show de criatividade, que rende boas risadas, ou até mesmo reflexões... Reflexões momentâneas, ok, mas já se pode dizer como sendo um mini momento socrático. Ah se toda essa criatividade fosse direcionada para a resolução dos problemas que nos afligem...

Bem, hoje vou subverter um pouco e criar minha top list das perguntas e respostas mais idiotas e/ou criativas que encontrei nesses formsprings afora (Thaty, me perdoe, só hoje vou mandar minha listinha, rs). Para escrever esse texto, realizei antes uma pesquisa minuciosa, em mais de 50 formsprings, e encontrei cada coisa... Que nem Einstein pensaria, muito menos Freud explicaria. Respire fundo, relaxe, não se irrite. Instale seus nervos de aço. Vamos que vamos, então:


As 30 mais do Formspring.me, por Lohan Lage:

Observação: a escrita será postada exatamente como foi encontrada. Aliás, em algumas, os erros fazem parte... E como fazem!

Legenda: Em negrito, a pergunta; em preto normal, a resposta; em azul, o meu comentário.

30º Qual a coisa mais estranha que já viu na vida?

Resposta: ultimamente vi uma tia de bigode... mas isso é normal.

(É, ver a vovó menstruar também, é super normal).

29º Dizem que quando as pessoas somem é porque elas estão namorando... A partir desse pensamento, tu acha que o Bin Laden achou sua cara metade?

Resposta: ta xonadO!

(A essa altura ele deve estar enterrado, e não xonado, rs).

28º vc acha que celular que só aceita chip claro é racista?

Resposta: ábsurdo!!!! com crtz é racismo!

(Quem é Vivo, sempre tem que aparecer...).

27º Algum livro q leu e recomenda?

Resposta: Não gosto de ler! ;)

(A resposta mais comum em todos os formsprings.me pesquisados. Com essa informação, nem é necessário consultar mediunicamente nosso querido Freud para explicar os porquês de tantos erros colossais...).

26º vc já confundiu bife a milanesa , com bife ali na mesa ?

Resposta: não,

(Uma dessas te faz perder o apetite).

25º Na sua casa tem cofre?

Resposta: naum =)

(Esses ladrões virtuais...).

24º Ja tentou espantar mosquito com a setinha do mouse ??

Resposta: Não q eu me lembre!!

(É, eu já fiz isso... Acreditem. Açoesboçais.com).

23º Se nada cola no tefal, como colaram o tefal na frigideira?

Resposta: Mediante magia negra, não sabia? Por que acha que a maioria das frigideiras são pretas?

(Antes de fritar um ovo, pense nisso!).

22º Qual foi a pior coisa que você fez na vida?

Resposta: Dizer pra um amigo que não confiava nele só pra vê-lo sofrer.

(Isso que eu chamo de amizade masoquista).

21º Por que a palavra ‘Grande’ é menor do que a palavra Pequeno’?

Resposta: Pergunta pro Google, talvez ele te responde :]

(O Google vai responder: você quis dizer “pergunta idiota do Formspring.me?”).

20º o que mais gosta de fazer quando ta sem internet?

Resposta: ligar pra reclamar q não ta funcionando rs

(Isso que eu chamo de uma vida com conexão discada).

19º O que você faria por amor?

Resposta: faço tudo com amor inclusive o amor :)

(Nossa, essa é para entrar no top românticas! Mas vale sempre lembrar a Rita Lee: “amor é um livro, sexo é esporte”).

18º vc faz SEXO no minimo QUANTAS vezes na SEMANA ??

Resposta: oxe boy oia so tu conta quantas vez tu pisca ois olhus no dia? então mesrmu assim sou eu cum sexo é impossivel cuntasr

(Dá tanto que nem tempo para aprender a escrever ela tem).

17º Seu 'foda-se' do dia vai pra quem?

Resposta: trampo! mandei o foda-se e sai 30 m mais cedo rsrs

(Saiu mais cedo ou foi demitido?).

16º prefere a letra C ou D?

Resposta: TAA

(Quando o estoque de criatividade chega ao limite... É que brasileiro não desiste nunca, e faz uma pergunta dessas).

17º a temperatura do seu chuveiro acompanha as estações do ano, ou é sempre quente ou sempre gelado ? [/pergunta tosca, eu sei D:

Resposta: a é sempre qente , so qando ta aqeeeele calor ai ee meia gelada :D KK

(A temperatura do meu chuveiro acompanha fielmente as estações do ano. Estamos no outono, o que eu coloco? Uma meia na geladeira – meia gelada?)

16º O que vc faz quando no meio da noite da akela fome?

Resposta: aah , ou eu levanto ee vo come ou eu durmo pra passa a fome KK

(Existiria mais alguma alternativa viável?).

15º escolhe um número de um a dez?

Resposta: 8

(Essa pergunta merecia ser publicada na SuperInteressante, não? Por isso que eu digo, tome cuidado enquanto andas na rua; os sem noção estão a solta).

14º 5 ursos estão no meio da estrada bloqueando sua passagem. O que você faria?

Resposta: Peeço Liçensa . SAGYASHAUHASUAHSUHAS'

(Se os ursos exigissem sua licença por escrito, você seria devorado).

13º Vc acha que o Dunga só convocou o Grafite para ganhar o patrocínio da faber castel?

Resposta: Sim.

(Eis uma explicação sensata para esta dunguice (eufemismo de burrice). Mas eu, neste caso, convocaria o Adriano: ganharia no mínimo o patrocínio da Brahma e dos traficantes da Vila Cruzeiro).

12º Por que quem é vesgo não vê em 3D?

Resposta: haha nem sabia disso, Luan Santana nem pode ver então =/

(Não, que isso! É um absurdo! Inventem já um modo em 4D para esse cantor, que é um sucesso meteórico! Inventem enquanto ele faz sucesso, pois daqui algum tempo...).

11º Oq Djavan quis dizer com : você deságua em mim e eu oceano..." ? ?

Resposta: e eu qui vou saber devbe ter sido uma gozada tao grandi qui partecia um oceanu

(Oh pai, perdoai-vos! Eles não sabem o que dizem!).

10º já usou algum toxico?

Resposta: nenhum... só por tabela no show do Rappa kkkk

(A Deborah Secco foi a drogada mais passiva da História. Abandonou o Falcão e as drogas).

9º imprimi seus trabalhos em casa ou na lan house?

Resposta: eu nao imprimo não , ou eu fasso na mão ou eu nun fasso KKK :D

(Analisem a pergunta: se ele afirma que imprimiu, ele devia saber em qual lugar o fez, certo? Analisem a resposta: será mesmo que esse garoto utiliza sua mãozinha para fazer trabalhos?).

8º se eu vê uma abelha berrando e um gado fazendo mel , significa que eu to apaixonado ? kk

Resposta: Só pode.

(Será que ele leu isso Shakespeare?).

7º Já teve relações homossexuais?

Resposta: Só comigo mesmo. Só não teve penetração porque não tenho esse alongamento todo.

(Sinal de que ele tentou, rs. Por que não se esforça e inclina bem sua coluna para frente? Vai ver você consegue se satisfazer de outro modo, rs. Isso que eu chamo de um viado narcisista!).

6º O que ja aprendeu ao longo da vida?

Resposta: Ao longo da vida aprendi várias coisa, mais acho que a mais importante foi a EXPERIÊNCIA.

(É, eu também aprendi muitas coisas... Mas a experiência, que engraçado! Essa eu não aprendi! De onde ela vem mesmo?).

5º Concorda que o alimento mais nutritivo é o penis? Tem carne, dois ovos, da leite e se for consumido com frequência enche a barriga por 9 meses?

Resposta: Concordo.

(Como eu sou vegetariano, prefiro explorar outras macegas...).

4º O que é melhor, um Mac ou sexo?

Resposta: Sexo. Mas o Mac dura mais. Peraê, to em dúvida.

(O “enter” e o “delete” está mais famoso que o “entre” e “dê leite”).

3º bis é um waffer disfarçado?

Resposta: aham, querendo passar na cota de afrodescendentes da facul

(De Lacta eu só me dou mal...)

2º e verdade que eziste uma vacina para produzir sange eque as tj toma esta vacina para nao tomar sange de outra pessoa

Resposta: WHAT??

(WHAT?? – 2)

1º Você daria pra mim?

Resposta: tem um chevete e camizinha de limão?

(Você atende a essas exigências? Imbatível essa, não? Meu Pai...!).

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

É isso, minha gente brasileira. É isso... O que acharam?

Até o próximo sábado!

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Seis dicas para uma viagem perfeita!!!!!

Buenas, autorizados darlings!!!!
Ainda com o clima romântico do agradabilíssimo mês de junho e já esperando as mini-férias de julho (Sim!!! Bem mini MESMO, já que a agenda de julho será apertadona, por conta de muita leitura, escrita etc) postarei sobre as seisdicas para uma viagem perfeitaa, romântica, alegre, relaxante e tudo mais...



Wells, para quem , assim como EU, está todo trabalhado na dívida porque surtou com os últimos Fashion Rio e SPFW (São Paulo Fashion Week) ou simplesmente não consegue se controlar na Livraria da Travessa, Livraria da Vila e Cia...
Bem, atolados queridos de mi corazón, nem sempre necessitamos quebrar o porquinho para curtir um lugar agradável e diferente e, claro, nem sempre uma viagem planejada, cheia de gastos e lugares fancy acaba sendo uma experiência legal!!! E vcs, para onde gostam de viajar, com quem (hum...) e como?

1. A primeira dica é, L Ó G I C O, escolher muito bem para onde vc quer viajar. O lugar é muito importante e um erro bem comum que muitas pessoas cometem é viajar para o lugar da moda ou para onde os amigos acham legal ir... Puta falta de personalidade... Não quero dizer que vc tem de ir pro Cazaquistão só para parecer cool, mas tenha estilo!!!

Pra quem gosta de dançar o Sound Night Club em Phuket na Tailândia já virou hotspot pela arquitetura super moderna, formas redondas e uso de cores neon. Super lindo e nada óbvio...




2. A segunda dica é escolher Beeeeeeem a companhia... Se vc vai viajar com o bofe, blz, mas saiba que nem todo amado é perfeito pra viajar... Às vezes é melhor juntar as amigas e fazer uma viagem estilo Sex and the City 2... Primeiro o homem não pode ser fesco (aff, imagina se ELE leva mais malas q vc?), econômico (eufemismo pra pão-duro!!!) ou metódico (eufemismo pra chato), daqueles que fazem um esquema e o seguem à risca, pois não tem nada mais out que uma viagem sem (boas) surpresas e, meninas, escutem...Às vezes o bom do passeio é ficar trancada no hotel sem conhecer ponto turístico algum... Paris? Q Torre Eiffel que nada, o maximo é ficar no quarto, hum, digamos, deliciando-se com as maravilhas da La Pâtisserie des Rêves...





3. Montar uma music list de respeito pro seu ipod e levar pelo menos um livro ótimo...
Ai, pessoas, vai que o vôo, ou o bus atrasam... Ou mesmo, se vc é como io e ama viajar de carro, tem hora que os seus 423 cds simplesmente te enjoam, as rádios não têm alcance ou, PIOR, pegam sim, mas estão tocando alguma coisa parecida com César Menoti & Fabiano...
Acho essencial levar ao menos um livro na viagem, embora comprar livros novos em lugares idem seja uma das coisas mais gostosas da vida. Mas, vá lá, garante e leva o seu Guerra e Paz com edição crítica!!! Se Tom Hanks e Crusoé tivessem se ilumiado com essa idéia, não teriam sofrido tanto de solidão...

Dicas de livros para levar para passear:
_ Qualquer um da Jane Austen;
_ Um livro de viagem sobre o local que vc vai visitar;
_Anaïs Nin, principalmente se vc for viajar sozinha, para inspirá-la a encontrar seu Henry Muller...


4. A quarta é arrumar as malas MUITO bem, mas com parcimônia... Leve todos os seus itens essenciais, mas deixe de ser fingida e trate de deixar um espaço na mala para as coisinhas q vc cetamente vai trazer do lugar. Se for viajar com o bofe para um lugar legal, trate de esquecer alguma coisa importante (importante pra vc, helloo) e faça o que um amigo chama de “Teste da Atitude”, outro dia conto o porquê desse nome, e veja se o bofe vai ser solidário.






Cata só o teste:
Vc, assim que chega no local de destino da sua maravilhosa vacation, coloca a mão na testa, se desespera e fala pro bofe:
_ Esqueci o hidratante!!!
Dependendo da atitude dele, temos diferentes tipos de varão ...


Atitudes lindas, não? Aprendam, homens desse Brasyl!!!


Atitude 1:
_Vou sair pra comprar!!!
Ele sai e volta com 1 hidratante Hidramais (1 litro = 2,99 na Drogaria Pacheco).
Análise: palmas pela atitude, não se desespere com a parcimônia no regalo, pois esse bofe tem jeito! Bofe estilo econômico.
Dica: investimento bom para o futuro!


Atitude 2:
_Vou sair pra comprar!!!
Ele sai e volta com 1 sabonete Dove...
Análise: ótimo, esse é um bofe estilo Conan, que não deve ter a menor ideia do q é 1 hidratante. Viu na embalagem sabonete hidratante a achou que deveiria ser isso...
Dica: agarra, pq esse deve ser bom em outras coisas...


Atitude 3:
_Vou sair pra comprar!!!
Ele sai e volta com 1 o novo Hipnôse Magnifique da Lancôme. Vc agradece, emocionada, e ele responde dizendo que esse é ótemo,melhor que o Hipnôse normal!!!!
Análise: se vc encontrar um bofe que saiba o que é Lancôme, na boa, corre, pois ele deve ter um amigo íntimo chamado Jorge, suuuuuuper chegado a ele... Mas invista na amizade, provavelmente vcs se divertirão horrores !!!!!
Dica: investimento excelente pra amizade!!!


5. A quinta dica é ter muita paciência com quem vc viaja... Às vezes vc acha que é legalzão, gente fina pra dedéu, mas é uma tremenda péla saco,que bate o pesinho e faz biquinho quando é contrariada. Vamos praticar a gentileza, a final de contas, ser bacana é in pra caramba !!!!! Caso o carro quebre, por exemplo, não vá ser a primeira a reclamar, arregace as manguinhas e ajude, estimule, seja uma companhia legal em todos os momentos!!!!!










6. A sexta dica é não enfiar o pé na jaca logo no primeiro dia no paraíso... Como assim, chutar o pau da barraca em quê? Em tudo, menina... Sinta, primeiro, como é o local, a vibração das pessoas e não se jogue logo nos drinks Absolut q vc encontrar pela frente, nem tente ser a melhor amiga de infância de quem vc conheceu há quinze minutos. Fazer uma pausa e ter cautela às vezes é bom pra caramba. E elegante tb!





Por aqui vou me despedindo!!! Um lindo weekend para todos e até o póximo post!!!!
Osculi!!!!!!!!

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Barbarii de Tirani! / Hinos sem Copa


Buenas, leitores Autorizados!
--
Potência! Força! Vigor! Energia!

É com esse espírito que meu post de hoje está carregado.

Depois de estrear escrevendo sobre estréias, em seguida homenagear Ronnie James Dio, e uma semana depois declarar meu amor anônimo na forma de versos românticos, o assunto agora claro que não é a Copa do Mundo, portanto não me acusem de antipatriotismo. Porém, sem deixar as tais Jabulanis de fora, quero dizer, sem jogar o tema pra escanteio, todo sabem que também existe música (onde?)

No Campeonaaaato Mundiaaaal de Futeboool.

Um exemplo?
“Ouviram do Ipiranga às margens plácidas...”
Ora, de Senegal ao Turcomenistão, todo país tem o seu! Mas como a execução dos hinos está cada vez mais curta, o que é ridículo, considero também uma tremenda falta de coerência me alongar sobre esse assunto. Portanto, não vou contar a história das marchas para a guerra, dos triunfos imperiais, ou republicanos. Mesmo porque não tenho a pretensão de ministrar um curso sobre o tema. Mas para quem se interessar, eu indico o livro “Hinos de Todos os Países do Mundo”, no qual o autor Tiago José Berg narra a história de aproximadamente 200 deles.

Estamos na Copa do Mundo, mas foi nas Olimpíadas de Seul, em 1988, que ouvi pela primeira vez o Hino da União Soviética, e fiquei embasbacado. É sem dúvida um dos mais bonitos e emocionantes do mundo. Jamais me esqueci dele. Desde então eu tive certeza de que havia muito mais para conhecer sobre o assunto. Liderando um exército, sou capaz de vencer qualquer guerra ao som desse hino. Para a glória do povo russo, ainda é o mesmo que representava a extinta União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, pelo menos no que se refere à maravilhosa melodia. Pois, quanto à letra, tudo o que havia alguma relação com a velha ideologia comunista, com Marx e com a Revolução (1917) “foi-ce” embora.
-
--
Na cerimônia de encerramento das Olimpíadas de Inverno deste ano, em Vancouver, eu tive o prazer de assistir (pela TV) à esplêndida execução dele, o Hino da Rússia, em virtude da próxima edição dos jogos, cuja sede será na cidade russa de Socchi. Não é comum a execução de hinos virar notícia, a menos que algo bem inusitado aconteça, como num exemplo nacional recente em que a cantora Vanusa (e Abusa) num evento promovido pela Assembléia Legislativa de São Paulo se atrapalhou só um pouquinho na interpretação do nosso “Ouviram do Ipiranga...”


Hino da Rússia (com coro e orquestra)



Também não é comum hinos serem ouvidos nos lares ou em carros de passeio. Mas comigo não! Eu tenho CD’s de hino, e adoro! Alguns então muito em especial. Por exemplo: como é bom o hino romeno, gente! – pra evitar o lugar-comum. Toda vez que ouço o Deşteaptă-te, Române! (Desperta, ó Romeno!) é isso o que realmente acontece comigo, porque é impossível não ficar ligado quando se ouve essa “belississíssima” melodia, de uma profundidade mítica e triunfante! Com um arranjo e orquestração justos, o Hino da Romênia se torna um dos mais viris e poderosos. Sempre que o ouço sinto-me tão forte, com meu espírito bárbaro em insaciável regozijo, pronto para destruir meus inimigos, e que os poupados pela minha espada furiosa se ajoelhem diante de mim e se curvem a minha vontade! Pela liberdade de meu povo!





E já que falei em liberdade, sugiro à Thaty Louise um top list dos melhores hinos do mundo, ou então peço permissão a ela desde já para que eu mesmo faça uma lista, numa atitude extrema de subversão à ordem do blog Autores S/A. De qualquer modo, e segundo minha imperial opinião, os da Rússia e da Romênia, dois países que não se classificaram para a Copa, já estão na minha lista, pois seus respectivos hinos estão entre os mais bonitos, fortes, emocionantes e empolgantes do mundo.

Beijos e abraços!
Até a próxima semana!

Camillo Landoni

---
Deşteaptă-te, române! (Anton Pann, Gheorghe Ucenescu/Andrei Mureşanu)
Gosudarstvenny Gimn Rossiyskoy Federatsii
("Hino Estatal da Federação Russa")
(Sergey Mikhalkov/Alexander Vasilyevich Alexandrov)

V.

A Dama de Chapéu.




Quem terá sido ela?
Minha mãe?
Minha irmã?
Minha tia?
Minha avó?
Quem será que ela eu fui?
Numa terça, numa quarta?
Numa quinta, numa estância?
Quem me mediu a cabeça e seus trajes?
Quem me determinou esta coragem?
Quem se avolumou em mera imagem?
Quem se incandesceu e se firmou?
Quem se me enalteceu e me encantou?
Quem eu fui e sou do que sobrou?
O chapéu que não retiro?
O escuro onde me dispo?
O tiro que não ecoou?
O vazio dos olhos que fitam a vida?
A vida por detrás das abas e das plumas e dos fios?
Cabelos tecidos por Penélope no seu tear
tecia e desfazia, sendo a noite o seu altar.
De onde vim?
Quem é ela sou eu?
Que sou eu sem ela?
Eu sem ela é que sou?
Talvez o chapéu traga a resposta.
Basta posar para o lambe-lambe
E se deixar mirar sem véus
Sem escolhas, sem fugas, sem itinerário na alma descoberta...
E só o chapéu nos identifica.
Feito Panamá .

quarta-feira, 23 de junho de 2010

O POEMA ESPERA NO PONTO

O poema espera no ponto.
E não ansiedades. É um ponto de eternidade.
O poema é um canto afinado e sereno que habita corações.
Emoção decorrida, arte escrita, palavras vivas de verdade.

O poema salta do nada por que já é tudo.
E sobrevive falante ou mudo ao caos.
O poema é pitada de sal, olho, colírio e pimenta ao mundo.
E vai fundo como o mar.
Sempre chama e não se apaga.

Eleva-se acima do ar
E por que tudo encerra...
Firma um pé no céu outro na terra.

É o poema é resistência, é encanto
enquanto paus e pedras naturalmente atiram
O bem e o mal ainda é normal em cada canto da vida.

O poema é a casa da alma, espírito do homem e asa de Deus
por isso não ressuscita, não morre, sempre renova, se transforma
tudo vira a arte pois toda poesia tem semente
e está presente em toda parte...
O poema espera no ponto.

.'.

* Algum tempo postei este poema que é um de meus prediletos e, não sei como consegui a proeza de apagá-lo até hoje não sei como..rsrs
Pois bem, quero dividir com vocês meus amigos a alegria de comunicar que o referido poema no último dia 17 foi premiado 1º Lugar em Concurso oferecido pela Associação Brasileira de Desenho e Artes Visuais no Museu Histório do Exército - Forte Copacabana.
E faço minhas as palavras de meu querido irmão e amigo João.. "nunca desista de seus sonhos".
E aproveito oportunidade prá comunicar que participarei de nosso amigo oculto, mas que, infelizmente, vou precisar me ausentar por um tempo deste querido blog, pois estou com pouca disponibilidade de participar mais ativamente. Me desculpem. Mas fiquem tranquilos que quando puder eu volto, tá? Está sendo muito bom estar com vocês. Uma experiência única. Jamais esquecerei. Grato pelo carinho e amizade de todos. Abraço Fraterno! E felicidades sem fim prá todos!

terça-feira, 22 de junho de 2010

Vício


Eu num café de esquina, sentada de frente para um capuccino que teima em não esfriar e com jeito de quem esqueceu o sorriso em algum lugar do passado.

Você encostado num balcão de bar, bebendo uma cerveja capaz de congelar os órgãos e com um jeito de quem sabe exatamente onde o sorriso se perdeu.
O copo já quase vazio, a blusa de lã que quase te aquece, assim como meu cachecol, que quase abraça meu pescoço.
E me vem aquela música... Aquela música, que um dia colocou nosso olhar na mesma direção. Lembra? Unidos pelo último disco da prateleira. Claro que lembra! E o disco ficou comigo, no fim das contas. Como se ele pudesse me servir de algum modo sem você...
Com os olhos fechados me pego a imaginar que esta noite eu poderia cantar para você, do jeito que você sempre gostou. Eu e meu violão num tributo a você, a nós dois.
Eu, na crueza de estar sóbria, sentada com minhas pernas cruzadas e pose de moça comportada, travo internamente uma luta épica para não dizer teu nome em voz alta, para não dizer aos estranhos ao redor que estou infeliz, e que eles estão diante de um corpo desprovido de alma.
Você com a bebida, tentando fazer do bar um lugar mais legal do que a tua cama cheia de memórias. Auto flagelo para chamar a atenção de ninguém senão você mesmo.
Talvez precisemos descobrir juntos que não há café ou lã que aqueça, não há bebida que esfrie, não há palavra capaz de diminuir o que nos uniu desde o primeiro instante.
Até que chega a mim um sujeito. Chega exato no meio do refrão imaginário, em minha parte favorita, só pra me dizer que você de fato ainda existe, não só dentro de mim. Que acabara de te ver num bar, encostado numa mesa de sinuca, na companhia de estranhos, muito calado, fumando e bebendo.
Excitação contida. Sorriso involuntário. Não pela mensagem em si, mas por ouvir teu nome, é ainda mais bonito quando dito por outras pessoas. Sei agora exatamente onde te encontrar e meu faro felino não falhou, está perto... Despeço-me da utopia, pago a conta, mordo os lábios tentando disfarçar o sorriso que insiste em escancarar no meu rosto. Pressa, urgência.

Amor, apaga o cigarro, põe mais um copo na mesa, prepara a vitrola, que eu tô chegando...

segunda-feira, 21 de junho de 2010

A Copa da Vida





Precisava sair, respirar,
Observar pôr as coisas no lugar.
Parei numa arquibancada,
Vieram as inquietudes e questionamentos.
Na necessidade de analisar meu time,
Não parava de observar meu adversário.
No primeiro momento em meios a chutes, tropeços,
Faltas são cometidas, e tudo vem pro chão...
Nada disso acontece em vão,
Uma advertência, um cartão vermelho,
É sinal de que precisamos ir pro banco reserva,
Reparar nossas faltas e não mais cometê-las.
Aí está o segundo tempo,
A nova chance, dar à nossa partida um novo sentido,
reorganizar o que chacoalha desordenadamente em nós.
Sempre é tempo de dar a nós um acréscimo no final.
Seguir adiante, avante!
A nossa bandeira, nós a fazemos,
E no peito não devemos inibí-la,
É o que somos.
Somos o nosso orgulho, somos tudo isso que somos,
Com o nosso jeitinho abrasileirado,
Ou qualquer outro que seja, isso não importa,
Porque somos assim!

domingo, 20 de junho de 2010

Primeiro Sinal

Não é você.
Não é jeito como me olha,
nem como me beija ou abraça.
Seria assim de qualquer jeito.

Não é você,
não é a maneira como aconteceu,
é necessidade poética.

Não é você,
não é essa pseudo-historinha de nós dois
mediocremente construída,
é que eu gosto de me enganar.

Não é você,
não é a decepção tão óbvia
ou essas lagriminhas,
é que a melancolia me cai bem.

Não é sua capacidade de me machucar
e subestimar minhas expectativas,
é assim sempre.

Não é você,
não são as palavras repetidas,
é que eu já me cansei
desse way of life.

Não é você,
sou eu.

Sou eu que não canso de buscar razões para escrever.








Negação é o primeiro sinal.

Elos

Primeira postagem aqui. Vamos lá.

Trabalhava em uma empresa canadense e estava particularmente atribulada naquele mês. Além das funções que desempenhava no departamento de marketing, substituía também a secretária da diretoria, que saíra de férias.

O diretor, hoje de cabeleira grisalha e mente zen, não tinha tempo nem disposição para “bom-dias” ou “boa-tardes”, que dirá para responder perguntas de uma secretária-substituta.

Assim sendo, dei o melhor de mim durante aquele período, busquei o máximo da eficiência e fui resolvendo tudo o que estava ao meu alcance.

Invariavelmente, após a hora do almoço, chegava a correspondência do dia. O boy da empresa despejava amarrados de envelopes e pacotes de sedex na minha mesa e lá ficava eu fazendo a distribuição para os outros departamentos.

Um dia, num desses amarrados, chegou um envelope que me chamou a atenção. Não estava endereçado à empresa, nem a nenhum funcionário de lá. Era um envelope branco, air-mail, vindo do Canadá e endereçado a “Gertrude”, residente em Copacabana, Rio de Janeiro. O endereço estava incorreto, a carta fora devolvida e, em vez de voltar ao remetente, fora para a empresa, em Nova Friburgo e, por força das circunstâncias, para a minha mão. Até aí nada de mais. Um endereço errado, devolvido para o remetente errado. Um remetente canadense, para uma empresa canadense. No entanto, o que me fez parar e ficar olhando para aquele envelope, foi a quantidade de pedidos escritos em caneta hidrocor vermelha, em vários idiomas, para que aquela carta chegasse ao seu destino: “Por favor, entreguem esta carta”.

Fiquei balançando o envelope. Gertrude, apenas. E aí, o que faço? Quero ajudar essa pessoa que parece tão angustiada, mas como? Abro? Tento descobrir quem é Gertrude? De início, fiquei cheia de escrúpulos. Não queria invadir a privacidade de ninguém. Por outro lado, se não o fizesse, a carta se perderia para sempre e sabe-se lá o que mais junto com ela.

Abri. E fiquei emocionada. “My dearest Gertrude...”

Um senhor inglês, Irving, escrevia para a moça que conhecera durante a Segunda Guerra Mundial. Ele fora combatente em solo britânico e ela -- Gertrude, pensei, que estranho... um nome alemão -- uma mulher que ele conhecera nessa época. A carta não fazia menção à forma como eles haviam se encontrado ou quem era ela. Falava apenas de saudade, de desencontros, de rumos diferentes, de separação. E do desejo de reencontrá-la. Eles haviam se conhecido e se apaixonado durante a guerra. Eram jovens e viveram um amor intenso, conturbado, entremeado por granadas, bombardeios e poucas diversões. Decorridos alguns meses, acabaram se separando. Ele foi transferido para lutar em outra frente e perderam o contato. Com o término da guerra, Irving mudou-se para o Canadá. Constituiu família, trabalhou, viveu. Mas nunca deixou de procurar por ela. Décadas mais tarde, com o auxilio de amigos ingleses que fizeram uma busca junto ao que entendi ser um “Ministério Militar”, chegou a esperada notícia de Gertrude: morava no Brasil, no Rio de Janeiro, em Copacabana.

E lá estava eu com aquela carta na mão. Nem sequer cogitei consultar o diretor monossilábico, senti que cabia a mim encaminhá-la ao seu destino, como se eu tivesse sido escolhida para isso. Pensei rápido, uma enxurrada de pensamentos, como a que normalmente se segue a um desejo de solução.

Só uma pessoa poderia me ajudar. Um tal sr. Hans, que era uma espécie de “cônsul” da Alemanha em Nova Friburgo e que conhecia muitas famílias estrangeiras na região.

Já nos conhecíamos. Fui ao escritório dele. Mostrei a carta. Ele se interessou e, assim como eu, comoveu-se. Anotou nome e endereço. Disse que me daria retorno. E deu.

Dias depois, ele me telefonou informando o nome completo de Gertrude e seu novo endereço no Rio. Não fora difícil, disse-me, tinha muitos conhecidos na capital do estado.

Não perdi tempo. Escrevi algumas linhas para o senhor britânico, explicando tudo o que acontecera, pedindo desculpas por ter aberto a carta e dizendo que, finalmente, ela seria entregue em seu destino. Fiz o mesmo com Gertrude.

Dias depois, recebi um telefonema dela. Uma voz de senhora idosa, porém forte, vibrante. Agradeceu imensamente, disse que reencontrara um amigo querido.

Quanto a Irving, após uma carta comovente, fiquei uns dois anos recebendo postais magníficos de Quebec, desde flores esplêndidas a lagos congelados.


E assim termina esta história. Não sou uma pessoa mística, na verdade, acredito em poucas coisas. Sinto, porém, que somos todos elos de uma mesma corrente. E quanto mais elos formamos, mais forte e extensa ela fica. Pelo tempo que passou, Gertrude e Irving não estão mais vivos, mas foram elos soltos que, através dos meus, voltaram a se unir. Elos assim fazem a corrente valer a pena.

sábado, 19 de junho de 2010

Rascunho

...Que quando lia a beleza das palavras
(e mesmo sabendo que não eram suas)
achando tudo tão certo
como as folhas que nos cercam no outono

E mal sabia o que saber sobre qualquer coisa
distante de tudo que aparenta razão talvez...
fosse os versos roubados que pareciam tão seus.

E ainda não sei ao certo, talvez nunca saiba
exatamente o que sinto, sempre quando te vejo
sei que apenas as poucas coisa que nos fazem bem
devem ser realmente consideradas
mas não sei se isso faz bem ou mal

Que importa é que as folhas caem dançando ao vento
talvez felizes pela liberdade repentina
e as coisas que então morrem de certa forma
voltarão floridas na primavera

(mesmo assim prefiro o outono
há algo especial no vento e nas folhas...)

Ontem li outra vez algumas paginas
do livro que achava ter em mim
percebi que não bem um livro
mas um rascunho com letras apagadas...

A última pétala dessa flor

Lá se foi, mais um José
Carpinteiro, sim: das palavras.

Lá se foi, outro José
Português que descobriu não só as terras de cá,
Mas o mundo de todos os acolás
Bastando um olhar...
Um olhar longínquo, no horizonte do Tejo.

E agora, José?
Ainda respondias...
E agora, sem José?
Desamparadas Marias
E quantas que vão com as outras
Mariando marafora
Dando à luz na escuridão
Aos filhos de Deus
Tateando uma razão
Para tanta vida, nesse mundo
De filhos Teus.

Lá se foi José,
Que não era ateu.
Era um pobre carpinteiro
Que sua existência concedeu
Sem saber para quê
Para quê tudo isso?

José... Ele se foi,
A noite esfriou,
A terra cegou.
Seguimos como Caim,
Marcados pelo pecado
Sem olhar a quem
Somos tantos, e agora,
Sem você, José...
Somos ninguém.

A última pétala da flor do Lácio
Saiu-se a voar pelos ventos de além mar.
E agora, José,
Desta flor despetalada, o que será?

(Poema póstumo, dedicado a José Saramago, falecido ontem aos oitenta e sete anos. Obrigado, José, pela sua contribuição infinita à língua portuguesa e à literatura desse mundo tão cego de arte. Que novas pétalas surjam, e sejam tão viçosas quanto).

Azinhaga, Golegã, 16 de Novembro de 1922 — Lanzarote, 18 de Junho de 2010.

Fotograbia

Olá, Autores S/A! Eis minha estreia.
Nada mais humano do que começar minhas postagens com uma apresentação um tanto quanto íntima, não?

Venho através da escrita expor muito mais do que simples palavras.
Sou Bianca Lucchesi, nascida na capital de São Paulo. Gosto de coisas que você, leitor, também gosta. Seja comum ou incomum. Real ou surreal.

2008, em Santos, nas férias. Conversava com minha amiga no calçadão da praia. Enquanto ela fora buscar coco para bebermos, me deparei com uma imagem que me fez soluçar de chorar. Pôr do sol, mar calmo. Um senhor - de terno, camisa, gravata e sapato - andava na areia com seu neto, loiro de cabelo encaracolado, no colo. A criança parecia feliz e, o senhor, nem tanto. Na face dele encontrei um sentimento ruim... Não que ele estivesse bravo ou triste, mas parecia que contava as horas, entende? Que já imaginava que não teria muito tempo para curtir com seu neto. Essa cena me fez pensar, pensar, chorar, pensar, chorar, pensar, pensar e chorar mais um pouquinho.
Então não é que uma imagem vale mais do que mil palavras? É sim!

Eu nunca tive vô; na verdade, eu tive sim. Mas não conheci meu vô paterno nem meu vô materno. Sempre desejei ter um senhor com o mesmo sangue que o meu para contar histórias, mostrar fotografias, me levar para tomar sorvete ou passear na praia. Mas, infelizmente, não foi possível. Nasci tarde demais para isso.
Assim que cheguei a São Paulo, recebi o telefonema da minha tia. Faltava um mês para meu aniversário, e ela me presenteou com um cheque.

Já em casa, sentei ao computador e fui procurar algum curso de fotografia. Era isso que eu queria.
Achei! Liguei. Em duas semanas as minhas aulas começariam. Fiquei ansiosa.
Eu não sabia nada de fotografia, nem como mexer numa câmera. Mas aprendi! Além disso, me apaixonei. Queria mais, muito mais.
Após o curso, tive certeza que era isso que eu queria como vida. Sim. Queria a fotografia como profissão. Mas e agora, qual rumo? Qual área?
Escolhi a fotografia publicitária, pericial e de produção.

Em 2009, depois de ler, buscar, conhecer, trabalhar e estudar, decidi que seria a fotografia de produção. Essa coisa de mídia, cinema, televisão... Sempre me interessou.
Fazer faculdade de cinema ou de fotografia? É, foi essa dúvida que me dominou. Pois bem, estou cursando fotografia.

Essa é a introdução da minha escolha profissional. É isso que eu estudo, é isso que eu amo. É por isso que eu estou nessa batalha.
Agora eu posso e devo dividir com você o que eu sei, o que eu aprendo e o que eu gosto. Afinal, estamos juntos, não?

Pra começar, sabia que a palavra FOTOGRAFIA significa “desenhar com luz e contraste” e que a primeira imagem reconhecida é de 1826? Além disso, a mesma imagem ficou exposta ao sol durante oito horas. Sim! Oito horas para ficar pronta. Veja com seus próprios olhos (imagem do lado esquerdo).






(Joseph Nicéphore Niépce)

Postarei aos sábados. Semana que vem nos veremos por aqui, com mais informações e exposições. Ah, podem me chamar de Bia! :)

Obrigada pela visita. Seja sempre bem vindo ao meu mundo mágico.

Tantã

Tanto nexo

Léxico tantã

Lexotan

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Sete dicas de como curtir a vida com os amigos ao máximo!!!!!

Queridos autorizados sa,



É com uma grande alegria e uma certa correria tb (!)que desisti de postar o que estava escrevendo e, influenciada pelo lindo (!) post da Andréa, não vou postar hj sobre algo diretamente ligado aos cuticutis e xuxus do nosso coração, mas sobre aquelas pessoas que são tão importantes quanto... Nossos amigos!!! Sim, o post de hj vai em homenagem a todos que seguram nossas barras, riem conosco, mas choram junto tb e até... tomam cremogema nos momentos mais inusitados!!!!
E vc aí que está meio revoltado (a) por não ter um cobertor de orelha pra chamar de seu, minha dica é agarre um amigo (a)!!! Pare de perder tempo se produzindo, indo a barezinhos para conhecer desconhecidos interessantes e dê uma chance para bofe que vc já acha legal, já divide grande parte da sua vida e (provavelmente!) já ama... Podem ir por mim que dá mais certo do q vcs pensam...
Pois é, vou postar sete dicas de como se divertir sem namorado (a) com os amigos, familiares, colegas etc!!! Como ter momentos inesquecíveis com essas pessoas que provavelmente serão grandes companheiros por essa jornada louca e inexplicável que é a vida!!!! Ilustrarei com fotos dos meus queridos amigos et alii!


1. Minha primeira dica é fazer amigos desde anteontem, o mais cedo possível!!!
Pra q esperar?



                                       Fotos com minhas amiguinhas de infância. Nós na Quinta da Boa Vista.


2. Se permita fazer coisas que, para muitos, serão ridículas mas farão todo sentido pra vc e seus best friends!!!
Eu, Vinha e Bia pagando mycoh no Terra Encantada. 


             Vinte e tantos anos e brincando de balanço? Muito legal!!!!!! Eu (a do meio) e minhas migas Márcia e Maria Teresa!!!

                                                Calouro é f... mesmo, tira foto até do ventilador da faculdade...
                                                       Bete, James e eu ( a de flor na cabeça) e nenhum medo do ridículo!

3. Aproveite todo tipo de festa!! Helloween, festa caipira, festa do tomate de Paty do Alferes...A vida nem sempre é uma, então vamos comemorar até o aniversário do primeiro porre que vc tomou com seus camaradas!!!!! 

Festa do níver da Teacher Margareth do CCAA Nilópolis e Nova Iguaçu!!!
Turma muito legal!!!!!!!!!!!!!

Festa caipira do PVNC. Todos esses aí são professores respeitáveis de fac, pré-vestibular etc!


Eu (tímida pra caramba...)


4. Aproveite ao máximo seus amigos de escola, trabalho e faculdade, pois alguns vc nunca mais vai ver...

                                                                                                                                                                            
 
 Amigos da aula do curso de Arqueologia USP. Saudades dessa turma!!!!!


Landoni (vocêêêê!!!), Expedita, James, Marquinhos, Elisane e Maurício. Pessoas muito queridas desde sempre e pra sempre!!!!


 
Gente, quem não comeu em banjeijão = nao ter ido à fac. Era o máximo de divertido!!!!


 
 Meu primeiro emprego e meus primeiros amigos de trabalho (Telerj), muito queridos. Ano 1994, terceiro ano do ensino médio. Eu sou a do meio, a nerd de óculos comendo uvas... Pudera, gente, eu tinha 15 anitos.


5. Vá a todas as formaturas dos seus amigos é uma grande honra receber o abraço de pessoas queridas em um dia tão importante...


Pai fofo, mama mia lindja e minha mana, que é, além de um crânio, um espetáculo de linda!!

 
 Família (que eu AMO S2!!!) e amigos lindos de viver!!!! Close em mim e em meu pai de mão no joelhinho. Ui. 


 6. Faça algum tipo de aula, arte, canto ou dança com seus amigos, até mesmo algum trabalho diferente, qua o faça sair da sua rotina!!! É uma das melhores coisas da vida!!!!!


 
Eu e minhas amigas fizemos, durante alguns anos, dança do ventre todos os sábados. Era tudo q há. Esse fo o dia de uma apresentação no aniversário de um amigo, com direito a insenso, tenda etc!!!! Bia amou tranto a arte que se tornou uma (excelente) professora dessa modalidade.


 
 Eu e meu querido amigo Ednan trabalhando como intérpretes em Minas. Quem vê diz q sou séria.


Os amigos da UFF encenando "As Coéforas" Na UFRJ. Detalhe o LINDO afresco reproduzido e pintado pelo Allan (aka. Landoni). Arrasou! Nunca vi uma reprodução tão perfeita!!!!!



7. Nunca, jamais se esqueça dos amigos, nem "Naquele" dia !!!!!! Se tudo der errado (Deusmelivrepédepatomangalô 3 x) é no ombro deles q vc vai chorar as pitangas.

 
Marta e eu dançando twist!!!



 

E é dançando q me despeço de vcs hj, desejando uma ótima semana ao lado de seus amigos, namôs, rolos, conhecidos, parentes, vizinhos, colegas de bingo etc!!! Até o próximo post!!!

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Cremogema no Valentine's Day. Provas cabais!!








 Ainda sob os efeitos do bombardeamento de textos e imagens relacionados ao tema "AMOR", por conta do Dia dos Namorados que chegaram nos estilos mais variados, entre depoimentos de alegria, micos, frases feitas, citações, cartas de declaração, filmes,canções, presentes ideais e outros nem tanto ( que tal tema e tal data evocam), eis que me vi repentinamente sob a mira debochada daqueles que duvidaram da minha manifestação desiludida de carência e de afeto, quando comentei que só sobrevivi à melancolia e ao complexo de inferioridade por  estar só em tal data, quando resolvi aquecer meu coração solitário saboreando colheradas de um prato de cremogema em algum lugar nos idos dos anos 90.  Exigiram a prova! Acharam que eu estava fazendo fita ou tentando ser engraçada; que eu estava mentindo! Por isso, antes de postar a prova irrefutável que me foi exigida, quero lhes contar como aconteceu tal "celebração" à base de mingau de milho com canela.


Na época de tal ensejo, eu vivia nos Estados Unidos e dividia um apê com uma brasileira também solitária. Estávamos beirando a fase balzaquiana e totalmente desiludidas por paixões e ficadas efêmeras que nunca nos traziam de volta o príncipe encantado com um dos nossos sapatos de cristal perdidos nos encontros e desencontros da vida. Só apareciam "roubadas". Lá é muito natural, os ditos "blind dates", em que seus " muy amigos" estão sempre querendo ser um Eros para flechar seu coração, quando tentam te encaixar num encontro às cegas, com aquele amigo que eles têm, que também está em busca de achar sua dita alma gêmea; e VOCÊ, que também está sozinha, é SEMPREPAR PERFEITO para aquele bofe que eles também querem desencalhar, para não terem mais uma vela ou candelabro ao lado quando saem. Enfim, não posso nem lembrar de quantas gargalhadas eu dei ao assistir minhas amigas com cara de tacho, ao se empetecarem para um jantar à luz de velas com algum gato, que no final era um pato. Eu sempre fui esperta. Me recusava até a morte a ter que passar por isso.

Mas voltando ao que interessa, nossa amiga Mônica (desculpe amiga, já que o fato é real, preferi não te dar um nome fictício) que também estava na busca, nos contou que uma tia lhe disse certa vez, que para aquecer um coração que está frio e solitário, nada melhor do que um prato de mingau, debaixo das cobertas. Você se sente confortado, no colinho da mamãe e dorme com os anjinhos para esquecer...

 Eu e a Ira, minha roommate, resolvemos então, no Valentine's Day, que lá é celebrado em 14 de fevereiro e foi um atípico dia de muito frio (morávamos na muy caliente Flórida), celebrar a nossa falta de namorado, "antes só do que mal acompanhado", fazendo um mingau de Cremogema, que compramos numa loja que vendia produtos brasileiros.

Me lembro que era um custo achar coisas relacionadas ao Brasil. E aí, que abriram uma loja  que alugava cds e vídeos (ainda estávamos na era do vídeo), com capítulos de novelas e seriados para que pudéssemos assistir. Internet e celular ainda não eram um plus. Resolvemos alugar o seriado "A Muralha", e foi assim que passamos o nosso Valentine's. No final foi tudo tão divertido que decidimos eternizar esta cena com estas fotos. Eis a prova para aqueles que duvidaram da minha idoneidade: voilà!
Viram!
Acreditam agora?
Fiz uma colagem especialmente para o álbum que fiz lá mesmo. E aí, gostaram?
Podem acreditar que funciona. Dormi feito um anjinho depois do mingau.