domingo, 26 de dezembro de 2010

Just like a Tattoo

Quem tem uma tatuagem sabe: é um vício.

Tudo começa como uma idéia solta, algo como um sonho bobo e vago...De repente toma forma, contornos sólidos e num piscar de olhos você se vê no estúdio do tatuador completamente rendida aos seus desejos.

Dói, o barulhinho daquele aparelho é realmente nauseante, mas não há a opção 'desistir'; sua pele já está marcada, já está sangrando... E aquela marca ficará ali para sempre (a não ser que você decida sofrer o dobro em muitas sessões de laser mais tarde...).

Depois da tortura você olha sua mais incrível novidade e não tem jeito: sorri. Passa dias cuidando, passando pomada cicatrizante e envolvendo seu bebê com papel filme. Espera com ansiedade que ela descasque e se mostre linda, assim como uma borboleta que sai do casulo. Seus amigos vão notar, as pessoas vão perguntar e você se sentirá orgulhoso em explicar todo o enorme significado daqueles desenhos ou frases.

Tanto cuidado, tanta devoção...
Relacionamentos também são assim: Just like a tattoo.

Idealizamos, passamos pelo mar de ansiedade e questionamentos: devo me entregar ao sentimento ou não? Devo oferecer minha pele à outro ser que nem partilhou comigo a experiência dos meus dias? Será possível que isso funcione?

E dói.
Se entregar.
Acreditar.
Às vezes até sangra.

E quando tudo se concretiza, para o bem ou para o mal, há o momento da cicatrização: ou você acomoda definitivamente aquela pessoa em sua vida, ou compra todo o suprimento de pomada cicatrizante da cidade, sorvete de chocolate, toda uma Playlist do sofrimento recheada de Radiohead, Coldplay, Chico Buarque ou quem sabe Sepultura e Iron Maiden para os momentos de fúria...

E finalmente, se seu amor- próprio e alheio ainda estão com você, um sorriso é inevitável. Se só o seu amor-próprio permaneceu, sorria mais ainda: muitos não sobrevivem e não resta a tatuagem e sim uma cicatriz alérgica e feia.

Quando seus amigos perguntarem, diga apenas:
é como uma tatuagem:
Permanece.
Às vezes lindamente,
às vezes só uma lembrança
mas ainda válida.

Eu tenho a minha, escondida no pulso direito... Como um alento, um apoio à poesia que vive em mim, mas precisou ser marcada em pele pra me manter.
Sobre as outras tatuagens.... Sobre essas não sei bem me manifestar.
Só sei sentir.


"I can't waste time so give it a moment
I realized nothings broken
No need to worry about everything I've done
Live every second like it was my last one
Don't look back got a new direction
I loved you once needed protection
You're still a part of everything I do
You're on my heart just like a tattoo
Just like a tattoo
I'll always have you (I'll always have you)"

(Jordin Sparks)

4 comentários:

Thaty Louise disse...

Like A Tattoo

He told me sweet lies of sweet love
Heavy with the burden of the truth
And he spoke of his dreams
Broken by the burden
Broken by the burden of his youth
Fourteen years he said
I couldn't look into the sun
She saw him laying at the end of my gun
Hungrey for life
And thirsty for the distant river
I remember his hands
And the way the mountains looked
The light shot diamonds from his eyes
Hungry for life
And thirsty for the distant river
Like the scar of age
Written all over my face
The war is still raging inside of me
I still feel the chill
As i reveal my shame to you
I wear it like a tattoo


Sade


Rayanna, TUDO seu post!


Bjocas!!!!!!!!!!!!!

Camila Furtado disse...

Eu tenho uma, amo minha tatuagem, não me arrependo nunca de ter feito, pelo contrário, tenho um carinho mais que especial por aquele desenho.
Minha tatuagem foi feita numa época em que eu estava amando com uma intensidade absurda e a desilusão veio com uma fúria avassaladora. Mas eu tinha ao meu lado uma amiga. Nós fomos juntas fazer a tatuagem (ela tb fez, um outro desenho), mas enquanto eu chorava de dor, ela estava lá pra segurar minha mão. A tatuagem é de borboletas voando em meio a flores, na época o desenho não tinha um outro sentido, mas hj eu entendo que aquilo foi a minha transformação, libertação, maturidade. As borboletas permanerceram e a amizade também, lindas e eternas enquanto eu viver.

Pra variar só um pouco, ao invés de ler o seu texto, fui lida por ele. Obrigada.
Beijos!!!

Lohan Lage disse...

Adorei Rayanna, muito boa a comparação que você estabeleceu entre duas coisas que marcam: um relacionamento, uma tatuagem.

Eu não sou fã de tatoos, prefiro marcar minha alma com grandes emoções.

Beijão!
Feliz ano novo!

Ana Beatriz Manier disse...

Que texto gostoso de ler! Minha primeira tatuagem ainda está por vir... Ando com vontade de fazer, mas ainda stou amadurecendo a ideia.
bjks