quinta-feira, 27 de maio de 2010

Guns N' Roses e outros Bambas de Primeira



Quando nascemos, já no primeiro minuto de vida nos deparamos com a tal “primeira vez”. Aí vem o primeiro aleitamento, a primeira canção de ninar, o primeiro soninho, etc. E podemos crescer e crescer, que nada vai mudar, porque as estréias sempre farão parte de nossas vidas, nas mais diversas circunstâncias. Então, estejamos prontos para as grandes novidades! Ó (!) eu aqui, estreando em Autores S/A.

Foi inspirado pelo fato deste ser meu primeiro post, que hoje vou falar um pouco sobre a mais bem-sucedida estréia da história da música.

Lançado em 1997, Appetite for Destruction vendeu até hoje cerca de 40 milhões de cópias em todo o mundo. Eu não testemunhei o início de todo esse sucesso, porque nas rádios do Rio de Janeiro ainda não se ouvia nem meio tom de Guns N’ Roses. Welcome to the Jungle, o primeiro single da banda, foi inicialmente exibido de modo tímido pela MTV americana, porém, o suficiente para que em pouco tempo o álbum fosse catapultado ao topo da Billboard. O primeiro clipe que assisti foi o da música Paradise City. Gostei, mas sem empolgação, pois o programa de TV apresentado por Adriana Riemer não era de fazer muitos comentários sobre os músicos, ou mesmo sobre a banda. O programa chamava-se Som e Energia, e era exibido no canal 13 (Rio de Janeiro) pela extinta TV Rio. O segundo clipe ao qual assisti foi o da canção Zeppeliana, Patience, transmitido dessa vez por um programa feminino, do qual não me lembro o nome, nem possuo qualquer outra referência. Minha impressão foi a mesma de quando assisti ao primeiro, embora eu não tivesse sacado que era a mesma banda em ambos os vídeos.
-
Algum tempo depois, por volta de um ano, Sweet Child O’ Mine começou a tocar nas rádios de rock cariocas. Levei semanas para descobrir o nome da banda. Só a partir dessa descoberta pude então procurar o Lp, vinil onde estaria prensado o maior hit do momento. Um dia, por acaso, encontrei à venda num desses supermercados bem populares vários discos do Guns, porém, cópias de um único título. Ironicamente chamava-se Lies. Como eu ainda não sabia o nome da música (Sweet Child O’ Mine) e achava que a banda tinha um único disco, exatamente aquele que eu levava para o caixa, comprei o álbum, levei-o para minha casa e pus a bolacha no toca-disco. Decepção. Mas onde está aquela música? Reconheci Patience, ao lembrar do clipe que havia visto há alguns meses. Quando comprei Lies, eu nem fazia ideia de que existia o Appetite for Destruction. Até que um dia fui à Madureira comprar uns Lps, quando surpreendentemente encontrei, era o Appetite..., o primeiro disco do Guns N’ Roses. Sem hesitar fiz minha aquisição há tanto esperada. Bingo! Finamente o álbum que rádios, nem revistas, e muito menos a TV me apresentou. Eu sozinho o encontrei! Quando notei impresso no miolo do vinil o ano de produção, foi difícil acreditar: 1987! Mas estávamos em 89, quando vi o Appetite... pela primeira vez sendo vendido e de maneira tão modesta. Resumindo, nós, cariocas, levamos muito tempo para conhecer a banda de Rock mais bem-sucedida da minha geração.
(com licença, dois segundos para reverenciar os glams).
Welcome to the Jungle até chegou a tocar nas rádios do Rio de Janeiro,
mas só depois que o vídeo já havia alcançado um enorme sucesso na MTV brasileira.--
Considerando ainda o álbum de estréia da Rock Band de Axl Rose e Cia., é fácil notar que não é um disco tão original, principalmente quando se ouve bandas do peso de um Slade ou de um Nazareth; porém, músicas como Rocket Queen, Sweet Child O’ Mine e Welcome to the Jungle ainda são o melhor que o Rock produziu de 1987 até os dias de hoje.
Agora,
outras estréias que se destacam na história da música, marcantes entre outras coisas pelo enorme sucesso de vendas, isto é, pelo que renderam de felicidade à indústria fonográfica.
2002
Come Away with Me
"Norah Jones"
Gravadora: Blue Note Records
$$ milhões e milhões de cópias $$






1995
Jagged Little Pill
"Alanis Morissette"
Gravadora: Maverick
Estréia internacional
$$ milhões e milhões de cópias $$


1985Whitney Houston

"Whitney Houston"

Gravadora: Arista
$$ milhões e milhões de cópias$$





1985
Legião Urbana
"Legião Urbana"
Gravadora: EMI
$$ milhões e milhões de cópias $$

1980
Iron Maiden
"Iron Maiden"
$$ Gravadora: EMI $$

Agradeço mais uma vez ao Lohan e à Thaty Louise por minha estréia,
que espero seja bem-sucedida. Abraço a todos!!! Até quinta!!!

Bye!!!
Camillo Landoni

I.

5 comentários:

Thaty Louise disse...

Nossa,
Amei a idéia do tema!!!!!!!!!!! É curioso imaginar que uma banda, em algum dia, já vendeu tanto assim e logo no primeiro CD... Amo o Guns e os acho tão atemporais, que tomei um susto quando li as datas no seu post... Caramba, anos 80!!! E em 1991 Patience concorria semana a semana com Tonight do New kids on the block. Lembro até hoje da Astrid falando no disk MTV, quando esse canal ainda não tinha sido invadido pela enxurrada de programas de variedades (><)!!!!!!!!! Essa questão das datas é quase aterrorizante. Lembro que muita coisa vinha para o Brasil com um enorme atraso, principalmente o que não se tratava exatamente de pop destinado às massas.
Wells, Guns me lembra tanta coisa boa...Show perfeito no último Rock in Rio, festinhas da adolescência, mas, most of all, me lembra uma época em que quase só ouvia pop, Black and soul music, lá com uns dez, onze anos de idade e minha irmã, com cinco ou seis (!), AMANDO Guns profundamente, muito mais inclinada ao rock, se emocionava ao ouvir Patience no rádio ou na MTV.
Dedico seu post à minha sister, minha eterna glam pirralha Silvia!!!!!
Bjocas nostálgicas e, pra vc, “Welcome to the jungle” dos Autores S/A!!!!!!

Camila Furtado disse...

Adorei sua estreia, não poderia ter sido melhor... Curti muito GN'R, o curioso é que isso começou na infância também (assim como a irmã da Tathy). Minha irmã mais velha ouvia e tal, mas não se emocionava tanto quanto eu. A primeira vez que ouvi foi quando minha irmã comprou um LP de uma novela, se não me engano era "Que rei sou eu?" e a trilha internacional continha 'Patience', me identifiquei de cara e virei fã. Desde então o album appettite for destruction não saía do meu toca-discos (Oh, my... como estou velha!). Mas os albuns que mais me marcaram mesmo foram "Use your illusion I e II" Amooo...
Adorei o "welcome to the jungle" da Tathy e completo dizendo que o Autores S/A também tem seus momentos de "Paradise city", rsrs...
Beijo e seja bem vindo!!!

João Luiz disse...

Muito legal!

Seja bem vindo,suas postagens tem tudo a ver com o Blog.

Também gosto muito do Guns e curti muito relembrar bons momentos de vida.

felicidades!

Camillo Landoni disse...

Valeu, João Luiz!

Obrigado pela recepção!

É muito bom saber que estamos fazendo a coisa certa no lugar certo.

Que gratificante saber que meu post fez alguém, aqui no caso você lembrar de coisas boas, de momentos bons de sua vida.

Valeu mesmo por suas palavras...

Felicidades pra vc tbm!!

E vamos em frente!

Andréa Amaral disse...

E viva o rock'n roll!!!
É claro, que como leiga no assunto deixarei que você me extasie com seu conhecimento a respeito das melhores composições, etc. Mas eu curti the best of them nos anos 90, enquanto vivi the American way of life. Existem dois cds, coletâneas e novas canções, de 1991 (ainda) chamadas "Use your illusion" I e II, que possuem a nata dos muitos sucessos deles. Civil war; You could be mine; Don't cry; November rain; dead horse; Perfect crime, etc. mas eu adoro uma, bem estilo "redneck", "I used to love her, but I want to kill her."
Bem vindo. Música é a língua universal.